Política PSD indica Abílio Morgado para Conselho de Fiscalização das 'secretas'

PSD indica Abílio Morgado para Conselho de Fiscalização das 'secretas'

O PSD vai indicar o antigo consultor de Cavaco Silva e advogado Abílio Morgado para o Conselho de Fiscalização do Sistema de Informações da República (CFSIRP), disseram à Lusa fontes parlamentares.
PSD indica Abílio Morgado para Conselho de Fiscalização das 'secretas'
Lusa 13 de outubro de 2017 às 12:13
O PSD vai indicar o antigo consultor de Cavaco Silva e advogado Abílio Morgado para o Conselho de Fiscalização do Sistema de Informações da República (CFSIRP), disseram à Lusa fontes parlamentares.

Abílio Morgado, nome que já conta com o acordo do PS, vai substituir no CFSIRP Paulo Mota Pinto, depois de uma tentativa falhada do PSD de eleger para o cargo a deputada e vice-presidente do partido Teresa Morais, que falhou os dois terços necessários.

Hoje termina o prazo para serem indicados os nomes para os órgãos externos da Assembleia da República, cuja eleição está marcada para dia 20, depois de sucessivos adiamentos.

No caso do Conselho de Fiscalização do SIRP, que exige uma maioria de dois terços, ou seja, um entendimento entre os dois maiores partidos, o PS sinalizou que aceitava a recondução do actual presidente, Paulo Mota Pinto, antigo "vice" social-democrata durante a liderança de Manuela Ferreira Leite.

O PSD, porém, propôs a candidatura da actual vice-presidente do partido Teresa Morais que não obteve em Junho passado os dois terços necessários para ser eleita, embora tenha registado uma votação considerada significativa: 112 em 212 deputados votantes.

O presidente do CSFSIRP, Paulo Mota Pinto, terminou o seu mandato em Março de 2016.

A Lei-Quadro do SIRP prevê uma audição parlamentar, na comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, que terá de ocorrer na próxima semana.

Abílio Morgado foi consultor para os assuntos de Segurança Nacional do Presidente da República Cavaco Silva entre 2011 e Agosto 2015 e secretário do Conselho de Estado, altura em que saiu de Belém.

Na altura não quis explicar as razões da sua demissão, mas, segundo o Expresso, Abílio Morgado discordou da decisão do Tribunal Constitucional que declarou inconstitucional a alteração do regime dos serviços de informações que deveria permitir-lhes o acesso aos chamados "metadados", na sequência de um pedido de fiscalização preventiva enviado pelo Presidente.

Desempenhou também as funções de secretário de Estado da Defesa Nacional num Governo de Cavaco Silva e de secretário de Estado da Administração Educativa no executivo liderado por Durão Barroso.

(Notícia actualizada às 12:30 com mais informação)



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub