Segurança Social PSD: Parceiros sociais "foram obrigados" a aceitar desconto na TSU

PSD: Parceiros sociais "foram obrigados" a aceitar desconto na TSU

Luís Montenegro disse esta manhã na SIC Notícias que os parceiros sociais foram confrontados com o acordo PS/Bloco para o salário mínimo e viram-se forçados a aceitar a compensação na TSU. E garante que o partido está unido em torno da decisão de Passos chumbar o decreto.
PSD: Parceiros sociais "foram obrigados" a aceitar desconto na TSU
Paulo Zacarias Gomes 20 de janeiro de 2017 às 09:52

O presidente da bancada parlamentar social-democrata acusou o primeiro-ministro António Costa e a líder bloquista Catarina Martins de terem acordado entre si o aumento do salário mínimo e que os parceiros sociais foram "obrigados" a aceitar o desconto na Taxa Social Única (TSU) quando confrontados com a subida da remuneração para os 557 euros.


"Os parceiros sociais foram obrigados a aceitar o desconto que lhes estava a ser oferecido. O Dr. António Costa sentou-se com a deputada Catarina Martins e acordaram a subida do salário mínimo para os 557 euros e depois simulou a concertação social. Claro que os parceiros sociais aceitaram minorar o efeito do salário mínimo nas circunstâncias em que governo o fez", disse esta sexta-feira, 20 de Janeiro, Luís Montenegro, no programa "10 minutos" da SIC Notícias.


Reafirmando a decisão de votar contra o decreto-lei da descida em 1,25 pontos percentuais da TSU – cuja apreciação parlamentar foi requerida pelo PCP e pelo Bloco de Esquerda – o deputado garantiu que o PSD não está "contra os patrões" nesta atitude, justificando que esta política pretende "subsidiar o salário mínimo" a não associar o aumento à produtividade.


Questionado sobre se a posição perante este decreto não põe em causa o que tinha sido defendido pelo vice-presidente social-democrata Marco António Costa - que pedia que a descida da TSU abrangesse também as instituições particulares de solidariedade social (IPSS) e as misericórdias -, o líder parlamentar diz que, com este voto, todos são tratados da mesma forma: "Vamos votar contra, o que quer dizer que as consequências são iguais para a empresas e para o sector social."


O Governo chegou a acordo na concertação social, com patrões e UGT, para aumentar o salário mínimo este ano de 530 para 557 euros. Em troca, o Executivo comprometeu-se a baixar a TSU em 1,25 pontos percentuais para as empresas que pagam salário mínimo. 


O novo salário mínimo está em vigor desde 1 de Janeiro. Já o decreto-lei que concretiza a redução da TSU foi aprovado e promulgado no início da semana, em menos de 48 horas.


O PSD anunciou na semana passada que votará ao lado dos parceiros do Governo - contra o decreto - pondo em causa o acordo de concertação social alcançado em Dezembro de 2016. O debate parlamentar do decreto ocorre a 25 de Janeiro.


Montenegro garantiu ainda que o partido está "muito unido" em torno do voto contra e que a sociedade também está ao lado do PSD nesta matéria. E voltou a questionar a legitimidade eleitoral do Governo PS e o acordo feito à esquerda:

"Esta gente, estes protagonistas, quiseram derrubar o Governo anterior. Têm de ser consequentes com a maioria duradoura e sólida que prometeram ao país."

O Presidente da República vai encontrar-se esta sexta-feira e na próxima segunda-feira com os patrões e a UGT. Em cima da mesa, sabe o Negócios, estará a polémica em torno da redução da TSU.

Montenegro não quis ainda antecipar a decisão do PSD, caso a questão das PPP da saúde – contra a qual se insurgem os partidos à esquerda do PS – chegue ao parlamento. 

"Ainda ontem ficou claro que há uma divergência profunda entre os partidos que suportam o Governo a propósito das PPP na saúde. Que os partidos que suportam o Governo possam ter opiniões diferentes, é legítimo. Agora que sejam eles próprios a querer tirar o tapete aos ministros e às suas políticas, isso já é intolerável do ponto de vista democrático," afirmou.




A sua opinião27
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado José André Rosa Há 4 dias

Era tao fácil .. 66 anos e 3 meses idade da reforma dos deputados e 40 anos de desconto também para deputados ... Mas eles insistem na tese de ir buscar ao trabalho ... TODOS CALADINHOS QUE NEM MULAS NA SOVADEIRA.PSD \CDS \PS \BLOCO \ CDU \ P. ANIMAIS.

comentários mais recentes
Desanimado Há 2 dias

Estas declarações de responsáveis do PSD são bastante esclarecedoras. O que realmente incomoda o PSD é o aumento do salário mínimo ( coisa que omitem ou disfarçam ). Portanto tudo isto teve a grande vantagem de mostrar aos portugueses o que os espera de novo se estes senhores chegarem ao poder. Obrigado PSD pelos esclarecimentos. Mais uma boa contribuição para o afundanço progressivo desta turba ressabiada.

Governo sem decência Há 3 dias

Então não é vergonhoso derrubar o governo eleito composto por PSD E CDS, dizendo que tinham uma solução governativa e agora, quererem que o partido que afastaram do governo lhes salve a governação. Isto é de gente manhosa, sem escrúpulos ,capazes de tudo.Paguem-lhes da mesma maneira, é o que merecem

Anónimo Há 3 dias

A con. social devia acabar. o Parlamento é que manda. Quanto ao Montenegro, lá na seita do avental, é que parece que as pessoas são obrigadas

Lurdes Morim Há 3 dias

Quem está habituado a tirar o tapete ao país é o PSD. Troca tintas e oportunistas. Aprendam alguma coisa com o CDS

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub