Política PSD: Paulo Rangel diz que "este não é o tempo para nomes"

PSD: Paulo Rangel diz que "este não é o tempo para nomes"

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel escusou-se a responder se pondera disputar a liderança do PSD, alegando que este "não é o tempo de nomes" e que "há um tempo para falar e outro para estar calado".
PSD: Paulo Rangel diz que "este não é o tempo para nomes"
Paulo Duarte
Lusa 04 de outubro de 2017 às 01:45

À saída da reunião do Conselho Nacional do PSD, que ainda decorria, Paulo Rangel (na foto) foi questionado se admite candidatar-se à presidência do partido, depois de o actual líder, Pedro Passos Coelho, ter anunciado na terça-feira que não será recandidato nas directas que poderão realizar-se já em Dezembro.

 

"Nós hoje viemos aqui apenas fazer uma reflexão. Este não é o tempo para nomes nem para números, este é o tempo de pensarmos qual é o futuro que queremos para o PSD", disse, remetendo para o artigo que escreveu na terça-feira no jornal Público.

 

Perante a insistência dos jornalistas, Rangel fez uma alusão a uma passagem bíblica: "Como se diz no livro do Eclesiastes, há tempo para rasgar e tempo para coser, há tempo para estar calado e tempo para falar, o tempo para falar foi lá dentro e o tempo para estar calado é cá fora".

 

De acordo com conselheiros nacionais presentes na reunião que decorre à porta fechada, Rangel fez uma intervenção muito aplaudida, na qual disse que o PSD não pode embarcar em "soluções amigas do Bloco Central", no que foi entendido como uma referência crítica a Rui Rio, que deverá em breve apresentar a sua candidatura à liderança do partido.

 

Também o ex-líder parlamentar Luís Montenegro fez uma intervenção muito aplaudida no Conselho Nacional, centrada nos elogios a Passos Coelho e na qual não abordou a futura disputa da liderança.

O Conselho Nacional do PSD terminou à 01:30 desta quarta-feira, com Passos Coelho a sair sem prestar declarações. 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
É isto que o PSD tem a oferecer ? Há 1 semana

Mas são estes que o PSD tem para oferecer aos Militantes ? Não passa do Bolor, Então o Partido Social Democrata não tem nenhum social democrata para se candidatar ? Só tem Neoliberais ? Os Sociais Democratas foram todos para o PS? Um PSD sem Sociais Democratas é Giro, não? Muito Giro, será Legal?

eleitor Há 2 semanas

Este PSD está moribundo , estando comido por estas metástases como o Rangel, Montenegro e outros oportunistas da mesma laia , cujo projecto quer tem , é de se governarem !

O POVO FOI SÁBIO E NÃO SE DEIXA ENGANAR Há 2 semanas

PSD morreu é fechar a porta e entregar as chaves á família de Sá Carneiro,e pedir desculpas ao povo por as patifarias feitas ao nosso povo,as ratazanas são muitas e conhecidas do povo.

Narciso Há 2 semanas

Atirem-se à maré. "Sociais Democratas" que espezinham os mais desgraçados para criarem uma autocracia de amigos, de negociatas, de tachos. Não voltam a pôr os pés tão cedo no poder. Foram ao tacho e levaram-no de vez. Desamparem a loja e deixem que apareçam jovens, mais honestos pelo menos. Estes 'barões' laranjinhas, devem ter juntos mais dinheiro que toda a produção nacional de azeite de uma década. Levaram tudo e ainda se estão a queixar. Que nojo!

pub
pub
pub
pub