Impostos PSD acusa Governo de querer atacar sector vitivinícola com "taxa Syriza"

PSD acusa Governo de querer atacar sector vitivinícola com "taxa Syriza"

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, acusou hoje o Governo de atacar o sector vitivinícola para sustentar um modelo económico que falhou com uma taxa inspirada numa medida do governo grego do Syriza.
PSD acusa Governo de querer atacar sector vitivinícola com "taxa Syriza"
Bruno Simão
Lusa 06 de Outubro de 2016 às 13:59

"Há notícia que se quer introduzir em Portugal um imposto que será uma taxa que posso designar como taxa Syriza, porque é inspirada naquilo que a Grécia fez há pouco tempo pela mão do Syriza no sector vitivinícola", afirmou Montenegro aos jornalistas no parlamento, após uma reunião da bancada do PSD.

 

O presidente do grupo parlamentar social-democrata afirmou que o primeiro-ministro, António Costa, já assumiu que "o crescimento da economia ficará muito aquém do que foi projectado" e para que o modelo económico do executivo tenha "o mínimo de sustentação terá que se ir mais uma vez ao bolso das pessoas, dos contribuintes, buscar mais impostos".

 

"Ainda não sabemos que desenho vão ter no Orçamento mas já sabemos que andarão à volta do património, serão impostos indirectos sobre o consumo de alguns bens", afirmou.

 

Segundo Montenegro, "os portugueses percebem que o Governo não resulta, que o Governo insiste para que o modelo ser mantenha em vigor e que o faz à custa de onerar mais as pessoas e as empresas".

 

"O país assim tem o futuro muito comprometido. Isto não é vida, estarmos permanentemente a ir aos impostos para um conjunto de decisões ou de falta delas que tomamos do lado da administração", argumentou.

 

"Tivemos um período de emergência, que foi muito exigente, nessa emergência houve um agravamento fiscal. Estávamos em 2015 a recuperar e aliviar a carga fiscal e hoje estamos já não em emergência a aumentar a carga fiscal", sublinhou.

 

A presidente da Associação de Vinhos e Espirituosas de Portugal contestou hoje a possibilidade de o Governo aumentar o imposto sobre os vinhos, considerando que a medida vai causar a falência de empresas e quebra no consumo.

 

Em declarações hoje à agência Lusa, no dia em que sete associações do sector fizeram um comunicado de protesto pela possibilidade de o imposto aumentar, a presidente da Associação de Vinhos e Espirituosas de Portugal (ACIBEV), Ana Isabel Alves, considerou "muito grave" se a intenção se concretizar.

 

O Correio da Manhã avançou na quarta-feira que o executivo estará a estudar um aumento do imposto que incide sobre o vinho, como forma de conseguir mais receita fiscal.

 

Contactado pela agência Lusa, uma fonte do Ministério das Finanças disse que o gabinete de Mário Centeno não vai pronunciar-se "sobre medidas do Orçamento do Estado antes da sua apresentação".




A sua opinião38
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 06.10.2016


SALÁRIO MÉDIO DOS PROFESSORES PORTUGUESES É O 3.º MAIS ALTO DA EUROPA, EM 2015.

"No caso dos docentes com salários mais altos, em que o rendimento dos docentes é superior ao PIB per capita, Portugal aparece em destaque como o terceiro com salários mais elevados da Europa: Bosnia Herzegovina (327%), Chipre (282%) e Portugal (245%)."

Relatório da Eurydice.

comentários mais recentes
Elisângela Faria 06.10.2016

Carrega Costa num sector produtivo e exportador. Beneficia a restauração e penaliza o sector produtivo.

Abilio Alves 06.10.2016

Que Trampa de geringonça tenham vergonha

Abilio Alves 06.10.2016

Parvalhoes de socialistas, vamos outra vez estender a mão vergonhosos

Luis Ferreira 06.10.2016

este engoliu a cassete do syriza e não sabe outra.... é vira o disco e toca o mesmo; a que entregamos nós a ex-governação e agora a zero oposição !!!!

ver mais comentários
pub