Política PSD destaca aumento de 6,2% nas pensões mínimas feito quando esteve no Governo

PSD destaca aumento de 6,2% nas pensões mínimas feito quando esteve no Governo

O vice-presidente do PSD Marco António Costa destacou esta segunda-feira o aumento de 6,2% nas pensões mínimas feitas pelo Governo PSD/CDS e recusou comentar as "afirmações desencontradas" feitas recentemente sobre o assunto pelos partidos que suportam o actual Executivo.
PSD destaca aumento de 6,2% nas pensões mínimas feito quando esteve no Governo
Bruno Simão/Negócios
Lusa 03 de Outubro de 2016 às 14:09

"Neste momento, o que ouvimos são afirmações desencontradas de dirigentes de partidos que suportam o actual Governo. Verdadeiramente, não conhecemos nada [sobre a proposta de aumento das pensões mínimas]. O que sabemos é que nós aumentámos as pensões mínimas em 6,2% no tal período tão difícil e tão severo que vivemos entre 2011 e 2014, quando antes o PS as congelou", afirmou Marco António Costa, em conferência de imprensa no Porto.

 

O vice-presidente do PSD respondeu desta forma aos jornalistas que o questionaram sobre a possibilidade de as pensões mais baixas terem um aumento de 10 euros.

 

Marco António Costa falava durante uma conferência de imprensa realizada para denunciar o "inaceitável embuste" do estudo "Desigualdades de Rendimentos e Pobreza em Portugal", de acordo com o qual os mais pobres foram especialmente penalizados com a quebra de rendimento dos portugueses entre 2009 e 2014.

 

De acordo com o social-democrata, foi "durante o Governo do PS, até 2011, que os pobres foram mais penalizados do que os ricos".

 

"A novidade que mereceu mais destaque na divulgação do estudo foi que os ricos, afinal, tinham suportado um esforço proporcionalmente menor do que os pobres durante o ajustamento. Ora, esta novidade é falsa", afirmou Marco António Costa.

 

Para o vice-presidente do PSD, "as conclusões apresentadas pelos autores do estudo e a forma como foram apresentadas permitiram ser aproveitas para favorecer uma visão distorcida da realidade".

 

"A maior parte da redução de rendimentos no período 2009-2014 ocorre por efeito das medidas orçamentais adoptadas pelo Governo do PS. Entre Agosto de 2011 e Maio de 2014, a classe de rendimentos mais elevados passou a figurar entre as mais afectadas", destacou.

 

Para o responsável, a opção pelo aumento dos impostos directos feita pelo Governo PSD/CDS foi "um instrumento fundamental no combate à desigualdade e à pobreza".

 

"Justamente o inverso do que o actual Governo do PS está a fazer, ao colocar a máxima pressão fiscal nos impostos indirectos, os que atingem de forma mais cega e indiscriminada os estratos mais desfavorecidos da população", sublinhou.

 

Na análise feita ao estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos, o PSD conclui que os efeitos do programa de ajustamento, levado a cabo enquanto esteve no Governo, "foram conscientemente contidos para os estratos mais desfavorecidos da população, minimizando os impactos negativos ao nível das desigualdades".




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 semanas


A MALTA DA ESQUERDA É COMPOSTA POR DOIS GRUPOS:

1 - Os LADRÕES (Inclui os FP e seus pensionistas): que andam a encher os bolsos à custa dos portugueses;

2 - Os BURROS: que ajudam os anteriores a roubar o povo, em nome da ideologia.

comentários mais recentes
O PSD não purga os ladrões Há 3 semanas

Mentiroso e muito mais,mas com meu voto não mamas mais,vou votar geringonça ex votante PSD

Anónimo Há 4 semanas

A PGR para alguns anda a dormir há naos.

Destaca aí Há 4 semanas

a pouca vergonha que foram os ultimos 4 anos, até desviaram erario público para colegios privados. Ladroagem. Estes sabujos não tem vergonha no focinho.

Anónimo Há 4 semanas


Peeensionista da CGA

És proprietário da parte da pensão que corresponde aos descontos efetuados!

O resto, mais de metade, é uma esmola que os trabalhadores e os contribuintes portugueses te dão, 14 meses por ano.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub