Política Puigdemont afirma que os “presos políticos” passaram a ser “reféns”

Puigdemont afirma que os “presos políticos” passaram a ser “reféns”

O ex-presidente do Governo catalão, Carles Puigdemont, considerou hoje que os separatistas catalães detidos em Espanha, entre eles o seu antigo vice-presidente, Oriol Junqueras, “já não são presos políticos”, mas sim “reféns”.
Puigdemont afirma que os “presos políticos” passaram a ser “reféns”
Reuters
Lusa 05 de janeiro de 2018 às 17:39

"As urnas falaram três vezes inequivocamente", considerou Puigdemont através da rede social Twitter, acrescentando que os independentistas detidos provisoriamente na região de Madrid "já não são presos políticos, são reféns".

O Tribunal Supremo espanhol decidiu hoje em Madrid que Oriol Junqueras devia continuar na prisão, visto haver riscos de reincidir nos delitos em que é investigado: rebelião, secessão e peculato no âmbito do processo falhado de independência da Catalunha.

Desde Bruxelas, onde está refugiado, Puigdemont também afirmou que "há um conflito por resolver entre a Catalunha e Espanha", insistindo que os independentistas "apostaram sempre na via pacífica e de diálogo".

Ainda em fase de instrução, o Supremo mantém detidos todos os separatistas que ainda não se distanciaram do objectivo de criar uma República independente de Espanha através de um processo que vai contra a Constituição espanhola.

Os partidos independentistas conseguiram manter, na sequência das eleições realizadas em 21 de Dezembro de 2017, a maioria dos deputados no parlamento regional da Catalunha, estando a tentar formar um novo Governo regional com os dirigentes demitidos anteriormente.

A consulta eleitoral foi convocada pelo chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, no final de Outubro, no mesmo dia em que decidiu dissolver o parlamento da Catalunha e destituir o executivo regional presidido por Carles Puigdemont por ter dirigido o processo para declarar unilateralmente a independência da região.

Rajoy, convocou para 17 de Janeiro próximo a primeira sessão do parlamento regional da Catalunha, tendo o primeiro debate de investidura do novo presidente da Generalitat que se realizar até 31 de Janeiro e a votação no dia seguinte.

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 1 semana

Estive contra a indepencia da Catalunha mas ja comeco a ter opiniao contraria.Se olharmos para o nosso vemos todos os dias"PANCADARIA INTELECTUAL"la para os lados da cidade da borga,para nao meter nojo a falar do atrasado,falo do mais recente:O mirolho na RARA.o mimico aritmetico nos bilhtes do benf

Anónimo Há 1 semana

Oh homem, põe os tomates no lugar e apresenta-te em Espanha. Onde estás, não passas de um aldrabão cobarde que nem assumes os atos que cometes.

Ventura Santos Há 1 semana

Quem é que é o Puigdemont ? Um primo do Santana Lopes ?

pub