Europa Puigdemont diz que é possível uma solução diferente à independência

Puigdemont diz que é possível uma solução diferente à independência

O presidente deposto do governo autonómico da Catalunha admitiu como plausível uma alternativa para o relacionamento futuro entre a região autonómica e Espanha que não passe pela independência.
Puigdemont diz que é possível uma solução diferente à independência
Reuters
Lusa 13 de novembro de 2017 às 15:40
O presidente destituído da região autónoma da Catalunha, Carles Puigdemont, disse ao jornal belga Le Soir que uma solução diferente à independência é "sempre possível".

"É sempre possível! Trabalhei durante 30 anos para conseguir outra ligação da Catalunha a Espanha! Trabalhamos muito nessa questão mas a chegada de Aznar (ex-primeiro-ministro do PP) ao poder deteve esse desejo", disse Puigdemont na entrevista publicada hoje no jornal francófono belga.

Carles Puigdemont acrescentou que está disposto a aceitar "a realidade de uma outra relação com Espanha", sem especificar.

O ex-presidente da Generalitat que se encontra em Bruxelas desde que proclamou a independência unilateral da "República da Catalunha" sublinhou que a origem da crise actual começou em 2010 quando o Tribunal Constitucional espanhol declarou inconstitucionais vários artigos do Estatuto de Autonomia da Catalunha.

"A origem de tudo isto está na anulação do Estatuto de Autonomia, em 2010, que tinha sido adoptado pelos parlamentos catalão (regional) e espanhol. Sabe quantos deputados independentistas estavam no parlamento catalão? Catorze entre 135 deputados. Agora são 72. O responsável pelo aumento do número de independentistas é, sobretudo, o Partido Popular", afirma o ex-presidente da autonomia.

Carles Puigdemont e outros quatro ex-membros do governo autónomo da Catalunha que também se encontram em Bruxelas devem comparecer na próxima sexta-feira perante um tribunal de primeira instância belga que vai depois decidir se executa a ordem de entrega a Espanha, pedida pela Audiência Nacional, em Madrid.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

No coração e na consciência do povo catalão, a Catalunha já é uma Nação independente, na Europa e sem fronteiras. É necessário fazer uma boa gestão da situação adaptada aos nossos tempos.

António Há 5 dias

Tá visto, não passa de um banana. E agora o povo vai continuar com a independência ou vai juntar-se aos bananas?!

General Ciresp Há 5 dias

Ja estao a ser mais partidos que votos,tal como os sindicatos da policia em portugal:cada policia e um sindicato como na altura a padroeira dos incendios nos informou.O furagido pensava que ia ser dono e senhor dos catalanios,so que o tiro saiu-lhe pela colatra.Acontece a filhos de muita boa gente.

Anónimo Há 5 dias

Sem qualquer apoio da EU teve que recuar pois as cosequencias incluindo ação musculada do exercito espanhol seriam inevitáveis e consentidas ou toleradas com enormes perdas de vidas e económico financeiras.Bélgica parece o covil dos terroristas ,Daehs,lider catalao etc exportando açoes vis na EU.

ver mais comentários
pub