Mundo Putin apela a Trump para uma "cooperação pragmática" entre Rússia e EUA

Putin apela a Trump para uma "cooperação pragmática" entre Rússia e EUA

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, exortou o seu homólogo norte-americano, Donald Trump, a praticar uma "cooperação pragmática", por ocasião dos tradicionais votos de ano novo, indicou hoje o Kremlin.
Putin apela a Trump para uma "cooperação pragmática" entre Rússia e EUA
REUTERS/Carlos Barria
Lusa 30 de dezembro de 2017 às 19:03

"Um diálogo russo-americano construtivo é particularmente necessário para reforçar a estabilidade estratégica no mundo", segundo um comunicado do presidente russo dirigido aos líderes mundiais por ocasião do ano novo.

 

Segundo o comunicado da Presidência, Vladimir Putin considerou que "o respeito mútuo" deve constituir "a base para o desenvolvimento das relações" entre os dois países.

"É isso que nos permitirá avançar rumo a uma cooperação pragmática, orientada para o longo-prazo", acrescentou o chefe de Estado russo.

 

O Presidente Putin enviou mensagens direcionadas a outros chefes de Estado e de Governoi, nomeadamente dos países da antiga URSS, ao francês Emmanuel Macron, à alemã Angela Merkel e ao sírio Baschar al-Assad.

 

Nos votos dirigidos a Al-Assad, Putin "exprimiu o desejo sincero de, no ano que vem, ver a Síria a levar por diante as grandes mudanças" iniciadas este ano.

 

"A Rússia continuará a manifestar todo o tipo de apoio à República árabe Síria com o objetivo de proteger a sua soberania e a sua integridade territorial", indicou Putin.

Em meados deste mês, Putin ordenou a retirada de parte das tropas russas destacadas para a Síria desde setembro de 2015.

 

As tropas russas foram determinantes para a manutenção do regime de Al-Assad, atacado pelo Estado Islâmico e outras forças rebeldes.

 

A campanha de bombardeamentos da aviação russa na Síria foi fundamental para aniquilar a presença de combatentes do Estado Islâmico em muitas cidades sírias. Atualmente, o EI está derrotado no terreno, tanto na Síria como no vizinho Iraque.

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Os dois artistas estao mortinhos para criar uma alianca, < que faz todo o sentido> para impor a paz e dar uma licao aos famosos geringoncos do mundo.

General Ciresp Há 3 semanas

Se o resto dos continentes fossem preenchidos por pessoas iguais a estes dois,OH,OH.Andava tudo bem NIVELADO.Se houvessem guerras elas seriam feitas apenas e so por interesse(comercilizacao).