Mundo Putin assinala melhoria em todos os indicadores económicos na Rússia

Putin assinala melhoria em todos os indicadores económicos na Rússia

O Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou hoje que houve melhorias em praticamente todos os indicadores macroeconómicos neste ano na Rússia, na sua tradicional conferência de imprensa anual.
Putin assinala melhoria em todos os indicadores económicos na Rússia
Reuters
Lusa 23 de dezembro de 2016 às 11:19

No ano passado, o país viveu uma contracção de 3,7% e, este ano a economia irá contrair "entre os 0,5% e os 0,6%", dados que são mais favoráveis aos que foram estimados no início do ano, de acordo com Putin.

 

"Em Novembro observamos um leve crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no país", sublinhou o Presidente russo, que se mostrou convencido de que a prolongada recessão em que se encontra a Rússia, há quase três anos, será superada no próximo ano, no qual se espera um crescimento próximo de 1%.

 

O sector que melhor se comportou foi o agrícola, que cresceu 4,1% este ano, sobretudo devido ao embargo russo a todos os alimentos perecíveis do Ocidente, adoptada em resposta às sanções ocidentais contra Moscovo pelo seu papel nos conflitos armados na Ucrânia.

 

A inflação, acrescentou Putin, rondará este ano os 5,5%, o melhor dado em toda a história contemporânea da Rússia desde a desintegração da União Soviética (URSS).

 

Até agora, o melhor registo deu-se em 2011, quando a inflação anual foi de 6,1%.

 

"Este ano permite-nos pensar que poderemos alcançar o objectivo e conseguir num futuro próximo uma inflação próxima dos cinco por cento e logo dos quatro por cento", sendo o objectivo que foi proposto para 2017 pelo Banco Central da Rússia, explicou o Presidente.

 

Também a fuga de capitais, um dos fenómenos que mais danos fizeram à economia russa, mostra uma dinâmica positiva.

 

"Em 2014, a fuga (de capitais) foi superior a 500 mil milhões de dólares (478,3 mil milhões de euros) e em 2015 foi de 57 mil milhões de dólares (54,5 mil milhões de euros). Este ano terminará com cerca de 16 a 17 mil milhões de dólares (15,3 a 16,3 mil milhões de euros) de fugas (...)", disse.

 

De negativo, Putin reconheceu que caíram os rendimentos reais da população, o que levou a uma queda no consumo "e reflectiu-se nos investimentos".

 


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Rado 24.12.2016

Sim, o povo de miséria passa para pobreza profunda. O alcoolismo fica na mesma.

Anónimo 23.12.2016

Ou seja, as sanções europeias acabaram por prejudicar essencialmente os produtores europeus. É o que dá a lambebotice aos EUA: tiros no proprio pé. A mesma coisa quanto às guerras que a Europa anda a apoiar no médio oriente, que tem como retorno refugiados e mais ataques terroristas na Europa.

Anónimo 23.12.2016


Ladrões PS - PCP - BE - FP - CGA - - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


Novas pensões mínimas serão sujeitas a prova de rendimento...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


As pensões douradas da CGA são SUBSIDIADAS em 500€, 1000€, 1500€ e mais… POR MÊS.

ESTAS PENSÕES SIM, DEVEM TER CORTES IMEDIATOS.


pub