Justiça Putin já demitiu ministro acusado de suborno

Putin já demitiu ministro acusado de suborno

O porta-voz do Kremlin anunciou que o presidente russo já demitiu o ministro acusado de suborno, revelando que a decisão de Vladimir Putin se prende com a perda de confiança em Ulyukayev.
Putin já demitiu ministro acusado de suborno
Reuters
Negócios com Lusa 15 de Novembro de 2016 às 18:51

Depois de ter sido detido na manhã desta terça-feira, 15 de Novembro, por suspeitas de corrupção, Alexy Ulyukayev deixou agora de ser ministro do Governo russo. O até aqui ministro da Economia foi demitido depois de o presidente russo, Vladimir Putin, ter perdido a confiança em Ulyukayev.

 

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov anunciou que Ulyukayev foi demitido por Putin mas garantiu que a detenção do agora ex-ministro por suspeitas de suborno nada teve que ver com a compra pela petrolífera estatal Rosneft de uma participação no capital de outra petrolífera russa, a Bashneft.

 

Alexy Ulyukayev foi detido ao início da manhã na Rússia no âmbito de um inquérito relacionado com corrupção em grande escala, segundo um comunicado do Comité de Investigação da Rússia, o principal órgão de investigação da federação russa e que reporta directamente ao presidente do país.

 

Em causa estão suspeitas de que Ulyukayev terá recebido um suborno de 2 milhões de dólares da parte da Rosneft para, em contrapartida, beneficiar a petrolífera russa. No entanto, ao contrário das informações veiculadas pela imprensa, Peskov veio desmentir a versão segundo a qual o então ministro teria sido subornado para aprovar a aquisição pela Rosnet de uma participação na Bachneft.

 

Certo é que Ulyukayev torna-se no mais alto cargo público a ser detido na Rússia desde a tentativa falhada de golpe de Estado de 1991. Isto numa conjuntura de luta contra a corrupção anunciada por Putin. Ulyukayev incorre numa pena de prisão que pode ir de oito a 15 anos.

 

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Camponio da beira Há 3 semanas

Putin não admitiria concorrencia.

pub