Angola PwC vai fazer auditoria externa à Sonangol

PwC vai fazer auditoria externa à Sonangol

A petrolífera liderada por Isabel dos Santos encomendou uma auditoria externa às suas contas. Empresa escolhida foi a PwC, da qual fez parte Sarju Raikundalia, actual administrador não-executivo da Sonangol.
PwC vai fazer auditoria externa à Sonangol
reuters
Lusa 13 de Outubro de 2016 às 13:04

A administração da Sonangol, liderada por Isabel dos Santos, vai avançar com uma auditoria externa às contas da petrolífera angolana deste ano e fecho do ano fiscal, tendo contratado para o efeito a consultora PwC.

 

Em comunicado citado pela agência Lusa esta quinta-feira, 13 de Outubro, a concessionária estatal recorda que a decisão de contratação foi tomada pelo conselho de administração a 27 de Setembro, após reavaliação do concurso anterior, em que participaram quatro empresas de auditoria, tendo a PwC "apresentado a proposta financeira mais vantajosa" para a Sonangol.

 

Antecipando as ligações do actual administrador não-executivo (nomeado em Junho, tal com os restantes) Sarju Raikundalia à PwC, a petrolífera garante que a isenção neste processo.

 

"Foram estritamente cumpridos os regulamentos do conselho de administração da Sonangol E.P. para a tomada desta decisão, não tendo o administrador Sarju Raikundalia participado da votação, por exercer, até à sua nomeação, funções como sócio da PwC. Antes de ser indigitado, o administrador Sarju Raikundalia renunciou aos seus direitos enquanto sócio da PwC, não mantendo por conseguinte qualquer vínculo com a referida sociedade", lê-se no comunicado.

 

A petrolífera liderada por Isabel dos Santos está em processo de reestruturação, para se concentrar na actividade de concessionária do sector petrolífero, e justifica esta contratação de "serviços de auditoria para o segundo semestre e fecho do ano fiscal de 2016" como uma medida que "faz parte de uma nova cultura e de uma nova forma de trabalhar da Sonangol", que "prima pela redução de custos, pelo rigor e pela transparência".

 

"Com esta adjudicação, a Sonangol E.P. conta que a reputação nacional e internacional de independência e qualidade da PwC possam contribuir para o reforço da qualidade dos processos internos de 'compliance', e para a qualidade e credibilidade das contas do grupo", conclui a nota.

 

A Sonangol garantiu 65% das receitas que o Estado angolano angariou em Agosto com a exportação de crude, totalizando 421 milhões de euros, uma quebra de 1,6% face a Julho.

 

Os dados constam de um relatório do Ministério das Finanças e comparam com os 458 milhões de euros arrecadados em Junho, que foi então o melhor registo da Sonangol em 2016. 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Fernando Machado Há 3 semanas

Já sei qual o resultado .. lol

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

"Empresa escolhida foi a PwC, da qual fez parte Sarju Raikundalia, actual administrador não-executivo da Sonangol".
Bom dia

Margarida Brites Há 2 semanas

Só transparencia...

Fernando Moreira Há 3 semanas

Os auditados contratam... é uma mama.

Camila Oliveira Há 3 semanas

Selva africana...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub