União Europeia Quase 2.500 empresas abandonaram sede na Catalunha desde o referendo

Quase 2.500 empresas abandonaram sede na Catalunha desde o referendo

A incerteza política em torno do futuro institucional da região levou a que mais de duas mil empresas saíssem da região no espaço de um mês e meio. Num só dia, 19 de Outubro, deixaram de ter sede da Catalunha mais de 250 companhias.
Quase 2.500 empresas abandonaram sede na Catalunha desde o referendo
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 15 de novembro de 2017 às 12:00
Desde o dia do referendo independentista na Catalunha, a 1 de Outubro, quase 2.500 empresas deixaram de ter sede naquele território espanhol, refere o jornal Expansión.

Segundo aquele periódico, até à passada segunda-feira foram 2.471 as empresas a mudar a sede social de localidades catalãs para outros pontos do país, uma mudança que não implica necessariamente a alteração da sede fiscal.

De acordo com o ElDiario, só esta segunda-feira saíram 30 empresas da região, 27 com sede em Barcelona e três em Tarragona.

Os dois dias com mais saídas foram 19 de Outubro (268 retiradas) e 9 de Outubro (212).

Contudo, citando dados da Agência Tributária, o Expansión refere que o movimento de saída já teve reflexo no peso da facturação das empresas incluídas no fornecimento imediato de informações do IVA com sede fiscal na Catalunha, que caiu em relação ao todo nacional.

Já a participação de vendas declaradas por empresas com sede na Catalunha caiu quase três pontos percentuais entre a primeira e a segunda quinzena de Outubro (de 22,4% para 19,6%), uma descida que é mais visível em sectores como a energia, água, construção, sector financeiro e segurador.

Apesar das saídas, também houve movimentos em sentido contrário: desde 1 de Outubro, houve 91 sociedades a transferir a sua sede para localidades catalãs, refere o jornal catalão El Món.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub