Economia "Queremos acabar com os descontos mês sim mês não"
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

"Queremos acabar com os descontos mês sim mês não"

Para o Bloco, a valorização de rendimentos faz-se também pelo combate à precariedade laboral. Catarina Martins garante que há acordo com o Governo nestas matérias e que as medidas têm de avançar em 2017.
"Queremos acabar com os descontos mês sim mês não"


Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado GabrielOrfaoGoncalves Há 2 semanas

Um tipo lê isto e não acredita. Não acredita. No que eu acredito, isso sim, é que até o Lenine, se fosse vivo, mandava fazer uma purga a estas trapalhadas do bloco de esquerda. Sra. Catarina Martins, veja se percebe uma coisa: o problema dos recibos verdes não é terem uma carreira cheia de buracos!!! Sabe, Sra. Catarina Martins, no fim de um ano tanto faz ter pago à Segurança Social 9 x 124 euros como 12 x 93!!! O resultado final é o mesmo: 1116 euros de descontos. Irra, Sra. Catarina Martins! Ou a Sra. nunca trabalhou a recibos verdes ou então trabalhou mas nunca percebeu como é que aquilo funciona, como acontece com a maior parte das pessoas, por a escola os ter preparado para tudo menos para ler, escrever, e contar como deve ser! Sra. Catarina Martins, nunca na vida trabalhei sem ser a recibos verdes. Veja se percebe uma coisa: os recibos verdes têm dois problemas. O problema número um dos recibos verdes é a precariedade / instabilidade de rendimentos. O outro são as pessoas que acham que lhes resolvem esse problema criando-lhes ainda mais problemas. As contribuições dos recibos verdes para a Segurança Social não são um problema porque num mês um tipo ganha 500 e no mês a seguir ganha 1000 e no mês a seguir não ganha nada. São um problema sim por causa da "solução" que o Estado quer dar a este problema. O que faz o Estado? Quer que o recibo verde pague segundo uma média!!! Isto não é viável, caramba! Há anos que digo isto e explico porquê! O que devia ser feito era pôr os recibos verdes a descontar uma percentagem fixa do que ganham. Por exemplo: até ao dia 15 do mês seguinte o trabalhador independente deve pagar à SS 10%, ou 12%, o que entenderem, do declarado no recibo. E de caminho acabavam com a obrigatoriedade de declarar início e fim de actividade constantemente!!! É que se os recibos verdes já são electrónicos e, logo, comunicados ao Fisco, por que razão duvida o Fisco do facto de as pessoas estarem ou não a trabalhar, obrigando-as a declarar quando estão em actividade e quando não estão? Isto é o maior incentivo a NÃO declarar rendimentos, que é precisamente o que não se quer. Mas infelizmente vivemos num manicómio em que o maluco mais maluco é o director do manicómio, pá! Em Portugal é o próprio Fisco que convida as pessoas a não declarar rendimentos. Eu explico: um tipo anda a fazer biscates, quer declarar o rendimento para efeitos de IRS e quer pagar SS, e acontece-lhe isto: chega às Finanças e as Finanças perguntam-lhe: "então quanto é que vai ganhar"? A Sra. Catarina Martins nunca se deu conta de que esta é uma pergunta estúpida? Que não tem resposta razoável, a não ser nos "falsos recibos verdes" com alguma estabilidade salarial e mesmo aí nem sempre? "Quanto é que vai ganhar?" Caramba, então se eu sou um profissional por conta própria, como é que eu sei? Caramba, pá, que isto é um manicómio, pá! Vejam se metem isto na cabeça: a pergunta sobre quanto é que uma pessoa vai ganhar é estúpida porque não pode ter uma resposta razoável! É como se eu lhe perguntasse: "Então quantos anos é que vai viver?" Deixem de ser calhaus com olhos e de fazer perguntas estúpidas aos contribuintes e aos trabalhadores! Ponham uma taxa fixa (= percentagem fixa; os descontos para a SS na prática nunca foram progressivos, ao contrário do que uma crença quase generalizada repete acriticamente, e a Constituição não manda que sejam progressivos, ao contrário do imposto sobre o rendimento; isto é claro para quem sabe que IRS e SS são duas coisas com natureza e função distintíssimas) sobre o rendimento e acabem com a necessidade de declarar início e fim de actividade. Os recibos verdes, já que são electrónicos e centralizados nos serviços das Finanças, deveriam ser suficientes. Enfim, até o Lenine vos dava um chá... gabriel.orfao.goncalves@gmail.com

comentários mais recentes
GabrielOrfaoGoncalves Há 2 semanas

Um tipo lê isto e não acredita. Não acredita. No que eu acredito, isso sim, é que até o Lenine, se fosse vivo, mandava fazer uma purga a estas trapalhadas do bloco de esquerda. Sra. Catarina Martins, veja se percebe uma coisa: o problema dos recibos verdes não é terem uma carreira cheia de buracos!!! Sabe, Sra. Catarina Martins, no fim de um ano tanto faz ter pago à Segurança Social 9 x 124 euros como 12 x 93!!! O resultado final é o mesmo: 1116 euros de descontos. Irra, Sra. Catarina Martins! Ou a Sra. nunca trabalhou a recibos verdes ou então trabalhou mas nunca percebeu como é que aquilo funciona, como acontece com a maior parte das pessoas, por a escola os ter preparado para tudo menos para ler, escrever, e contar como deve ser! Sra. Catarina Martins, nunca na vida trabalhei sem ser a recibos verdes. Veja se percebe uma coisa: os recibos verdes têm dois problemas. O problema número um dos recibos verdes é a precariedade / instabilidade de rendimentos. O outro são as pessoas que acham que lhes resolvem esse problema criando-lhes ainda mais problemas. As contribuições dos recibos verdes para a Segurança Social não são um problema porque num mês um tipo ganha 500 e no mês a seguir ganha 1000 e no mês a seguir não ganha nada. São um problema sim por causa da "solução" que o Estado quer dar a este problema. O que faz o Estado? Quer que o recibo verde pague segundo uma média!!! Isto não é viável, caramba! Há anos que digo isto e explico porquê! O que devia ser feito era pôr os recibos verdes a descontar uma percentagem fixa do que ganham. Por exemplo: até ao dia 15 do mês seguinte o trabalhador independente deve pagar à SS 10%, ou 12%, o que entenderem, do declarado no recibo. E de caminho acabavam com a obrigatoriedade de declarar início e fim de actividade constantemente!!! É que se os recibos verdes já são electrónicos e, logo, comunicados ao Fisco, por que razão duvida o Fisco do facto de as pessoas estarem ou não a trabalhar, obrigando-as a declarar quando estão em actividade e quando não estão? Isto é o maior incentivo a NÃO declarar rendimentos, que é precisamente o que não se quer. Mas infelizmente vivemos num manicómio em que o maluco mais maluco é o director do manicómio, pá! Em Portugal é o próprio Fisco que convida as pessoas a não declarar rendimentos. Eu explico: um tipo anda a fazer biscates, quer declarar o rendimento para efeitos de IRS e quer pagar SS, e acontece-lhe isto: chega às Finanças e as Finanças perguntam-lhe: "então quanto é que vai ganhar"? A Sra. Catarina Martins nunca se deu conta de que esta é uma pergunta estúpida? Que não tem resposta razoável, a não ser nos "falsos recibos verdes" com alguma estabilidade salarial e mesmo aí nem sempre? "Quanto é que vai ganhar?" Caramba, então se eu sou um profissional por conta própria, como é que eu sei? Caramba, pá, que isto é um manicómio, pá! Vejam se metem isto na cabeça: a pergunta sobre quanto é que uma pessoa vai ganhar é estúpida porque não pode ter uma resposta razoável! É como se eu lhe perguntasse: "Então quantos anos é que vai viver?" Deixem de ser calhaus com olhos e de fazer perguntas estúpidas aos contribuintes e aos trabalhadores! Ponham uma taxa fixa (= percentagem fixa; os descontos para a SS na prática nunca foram progressivos, ao contrário do que uma crença quase generalizada repete acriticamente, e a Constituição não manda que sejam progressivos, ao contrário do imposto sobre o rendimento; isto é claro para quem sabe que IRS e SS são duas coisas com natureza e função distintíssimas) sobre o rendimento e acabem com a necessidade de declarar início e fim de actividade. Os recibos verdes, já que são electrónicos e centralizados nos serviços das Finanças, deveriam ser suficientes. Enfim, até o Lenine vos dava um chá... gabriel.orfao.goncalves@gmail.com

Resposta de GabrielOrfaoGoncalvesa GabrielOrfaoGoncalves Há 2 semanas

Dito isto, e para que não pensem que só faço críticas, tenho a dizer que a ideia de obrigar o beneficiário do serviço prestado a contribuir também para a SS do prestador do serviço me parece boa. Há muitas formas de configurar isto. Espero que não escolham a mais contra-producente...

Anónimo Há 2 semanas

Eu quero, tu queres, se insistir mais o Costa dirá : Nós também.

Camila Oliveira Há 2 semanas

Drogadita.

Gorete Fonseca Há 2 semanas

Nem nas fotos de pose e com maquilhagem (coisa de capitalistas), esta figura parece bem.... É como a ideologia e postura dela....

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub