Economia "Só vamos sair desta situação empobrecendo" (act.)

"Só vamos sair desta situação empobrecendo" (act.)

Passos Coelho advertiu hoje para a inevitabilidade de no sector público, mas também no privado, se terem de cortar custos, o que significará salários e níveis de vida mais baixos. Optar por aumentar impostos, em vez de cortar despesa com salários, poderia ter sido fatal para Portugal, disse.
Eva Gaspar 25 de outubro de 2011 às 13:00
O primeiro-ministro admitiu abertamente esta manhã que Portugal só vai conseguir ultrapassar a crise em que mergulhou mediante uma redução de custos, para permitir reduzir a dívida pública mas também a privada, que levará a um empobrecimento “relativo e até absoluto” da sociedade portuguesa.

Falando numa conferência organizada pelo “Diário Económico”, Pedro Passos Coelho advertiu que “só vamos sair desta situação empobrecendo em termos relativos e mesmo em termos absolutos, porque o PIB está a cair”.

O primeiro-ministro insistiu, porém, que essa é uma etapa inevitável para que o país possa ser relançado numa trajectória de crescimento económico.

“Estamos a fazer isso para relançar o crescimento e não para ficar no ‘buraco do orçamento’. O que estamos a fazer é para sair da recessão, não é para agravar a recessão”.

Passos Coelho assegurava que esse é o objectivo último do Governo depois de terem explicado as três razões que levaram o Executivo a optar por cortar salários e subsídios no sector público, em vez que agravar a fiscalidade sobre todos os portugueses.

Em vésperas da reunião do Conselho de Estado, que Cavaco Silva convocou para esta tarde, e num recado implícito ao Presidente da República, o primeiro-ministro admitiu que havia "tecnicamente" outras alternativas, mas que não eram "credíveis" nem "desejáveis".

"Nós não temos nenhum prazer em penalizar seja quem for" e "podíamos ter aumentando os impostos para todos". Mas, acrescentou, isso era aumentar a receita e não cortar a despesa, e seria externamente visto como o caminho errado. "Podíamos ver o nosso programa de ajuda financeira morrer em Novembro", disse.

O primeiro-ministro advertiu ainda que subir a carga fiscal para todos significaria "sobrecarregar" a parte privada da economia de onde se espera venha a retoma. Além do mais, disse, também o sector privado vai ser forçado a fazer ajustamentos e reduzir custos. "Muitas pessoas que trabalham nestas empresas sabem vão perder o emprego. Não podemos ser cínicos nesta matéria".

A sua opinião68
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
LOYDCOL 26.10.2011

E depois vem para a televisão com um arzinho cândido de seriedade herdado do seu professor Cavaco, armado em homem de estado, pedir sacrifícios aos portugueses, enquanto às escondidas o seu amigo Relvas prepara as privatizações por tuta e meia. A propósito, porque é que não divulgam quem são os principais devedores ao BPN. Já foram cobrar algumas das dívidas deixadas ao banco?????? Quem é que me deve dinheiro no banco que eu estou a pagar. Qaunto é que vou ter que pagar de impostos para poderem vender ao desbarato e livre de dívidas as empresas públicas?????? A quem é que vão vender mais empresas monopolistas para eu pagar mais pelos serviços prestados. Quanto é que vão comer de comissões nas vendas destas empresas. ESTES GAJOS TÊM É QUE COMEÇAR A EXPLICAR ISTO. É POR ISSO QUE ANDAM A SERVIR-SE DE PAPAGAIOS NAS TELEVISÕES PARA FAZER CRER QUE AS PRIVATIZAÇÕES SÃO OBRIGATORIEDADE DA TROIKA. OS PORTUGUESES QUE PERCEBAM QUE COM ESTES GAJOS OS BURACOS COLOSSAIS VÃO APARECER NAS PRIVATIZAÇÕES. AINDA ONTEM A UNIÃO EUROPEIA PEDIU EXPLICAÇÕES SOBRE A VENDA DO BPN, POIS EXISTEM SUSPEITAS DE CONCORRÊNCIA DESLEAL. NAS ALDRABICES NÃO EXISTE TROIKA, MERCADOS, CREDORES, RIGOR, NADA. VAI DAR BANHO AO CÃO PASSOS. A MIM NUNCA ME ENGANASTE.

LOYDCOL 26.10.2011

Mas ainda cabe na cabeça de alguém que os mesmos gajos que levaram o país à ruína vão ser agora os seus salvadores. Então um canalha que prometeu antes das eleições que os portugueses não sofreriam cortes salariais nem aumentos de impostos, veio logo fazer precisamente o contrario. Pode ter alguma credibilidade????? O Sócrates ao pé deste gajo não passa de um mero ajudante. E ainda só passaram 3 meses.

LOYDCOL 26.10.2011

Passos Coelho ou ex jotinha e político profissional.
Missão: desmantelar o estado pot tuta e meia, livre de ónus e encargos.
O processo já está em marcha...o BPN já está....a seguir vem a RTP....depois virão as empresas de transportes.....as águas...os CTT e por aí adiante. Vamos ficar atentos aos futuros compradores. Para já é necessário que os escravos paguem com o coiro as dívidas destas empresas, para quem as levar ao desbarato receba a carninha toda sem gordurinha nenhuma. PREPAREM-SE,ESTEJAM ATENTOS.

xtech 25.10.2011

Já com o Sócrates, eram mentiras atrás de mentiras. É preferível que haja alguem sincero no governo e que diga as coisas tal como elas são. E nisto, o PPC tem muito mérito.

As ilusões pagam-se caras. A verdade está aí, e agora infelizmente temos que empobrecer para pagar os desvarios Xuxalistas que levaram o país à BANCARROTA.

ver mais comentários
pub