Europa Rajoy: Acções de Madrid não são antidemocráticas, o referendo é que é

Rajoy: Acções de Madrid não são antidemocráticas, o referendo é que é

O primeiro-ministro espanhol reagiu às acusações de totalitarismo feitas pelo líder do governo catalão, ripostando que "radicalmente antidemocrático" é o referendo independentista promovido pelas autoridades catalãs.
Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters
David Santiago 20 de setembro de 2017 às 20:54

A conferência de imprensa realizada ao início da noite desta quarta-feira, 20 de Setembro, a partir do Palácio da Moncloa (residência oficial do primeiro-ministro espanhol) por Mariano Rajoy não trouxe qualquer novidade. O governo espanhol considera ilegal a realização de um referendo popular sobre a independência da Catalunha e afiança que o mesmo, apesar de agendado para o próximo dia 1 de Outubro, não será realizado.

 

Desde o início deste processo que o referendo é "radicalmente antidemocrático", atirou Rajoy respondendo a Carles Puigdemont, presidente do governo autonómico da Catalunha (Generalitat) que esta tarde considerou a detenção de vários altos dirigentes regionais catalães por crimes de desobediência e prevaricação uma "atitude antidemocrática e totalitária" do governo central de Madrid, assim suspendendo a autonomia da região. 

"Espanha é um Estado democrático e de direito", disse o líder popular para assim justificar as acções da Guarda Civil que esta quarta-feira deteve 14 dirigentes da Generalitat, com Rajoy a notar que nos últimos dias – Madrid também formalizou a tomada do controlo sobre as finanças catalãs, suspendendo a autonomia financeira da comunidade autonómica – ficou provado que a Constituição do reino espanhol fornece os "mecanismos" necessários para garantir o cumprimento da lei e salvaguardar a legalidade.

 


As detenções levadas a cabo pelas forças de segurança servem para "proteger a liberdade dos cidadãos e zelar pelo respeito pelas leis", considerou ainda o líder do governo espanhol
para quem a legalidade é o "instrumento" que assegura a "convivência em liberdade".

 

Por outro lado, "a desobediência da lei por parte de um poder público é completamente contrário à democracia", continuou Rajoy num discurso claramente justificativo dos últimos desenvolvimentos registados não apenas em Barcelona e na Catalunha mas também por toda a Espanha. Em Madrid, por exemplo, uma manifestação com centenas de pessoas culminou com o confronto de dezenas de apoiantes da secessão catalã e defensores da integridade do território espanhol.  

 

Rajoy insistiu na "falta de legitimidade" perante a lei dos governantes regionais e locais da Catalunha para seguirem em frente com o referendo independentista, instando-os a não prosseguirem os seus intentos e a regressarem "à lei e à democracia".

 

Dizendo havendo ainda tempo para recuar, o também presidente do PP reiterou o aviso de que Madrid responderá com "firmeza" e de forma "proporcionada" à eventual insistência da Generalitat em realizar a consulta popular de 1 de Outubro, já declarada inconstitucional pelo TC espanhol. 

 

(Notícia actualizada às 21:09)




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 21.09.2017

Estes "catalunheses"! andam há meses a afrontar o TC e o governo e a brincar com o fogo!

A paciência esta a esgotar-se em Madrid....

Anónimo 21.09.2017

Há algum processo independentista que cumpra a lei? ahahah
Seguindo a lei nunca teria existido Portugal, nem Brasil, nem Estados Unidos...
Força de Catalunya! No es intimidi.

Pierre Ghost 21.09.2017

...e tem montes de razão !!!
Os Catalães acham-se acima da lei espanhola ???
A humilhação de ficarem sem autonomia nos pagamentos jà ninguem vos tira !!
Força Mariano !!! Dá-lhes no lombo !!!

pub