Europa Rajoy repete bloqueio constitucional se novo governo catalão mantiver desafio independentista

Rajoy repete bloqueio constitucional se novo governo catalão mantiver desafio independentista

A dez dias da ida às urnas, o governo de Madrid mantém a pressão sobre o eleitorado da Catalunha e traz os temas da economia para a campanha. Nova sondagem dá maioria absoluta aos movimentos secessionistas.
Rajoy repete bloqueio constitucional se novo governo catalão mantiver desafio independentista
Angel Navarrete/Bloomberg
António Larguesa 11 de dezembro de 2017 às 14:33

Mariano Rajoy considera que a aplicação do artigo 155 da Constituição espanhola, decidida no final de Outubro e que teve como efeito o derrube do governo regional da Catalunha, "demonstrou que a democracia funciona" e a "solidez das instituições", foi capaz de restituir a legalidade "numa questão de horas" e serviu ainda para atestar a "profundidade do sentimento nacional" no país vizinho.

 

E se das eleições antecipadas, agendadas para 21 de Dezembro, voltar a sair um Executivo que mantenha o desafio independentista e avance para a solução unilateral tentada por Carles Puigdemnont? "Seja qual for o resultado dessas eleições, há algo sobre o qual já não restam dúvidas: em Espanha a lei cumpre-se e é assim que vai continuar a ser", respondeu o primeiro-ministro, eleito pelo PP.

 

Durante um encontro organizado pela Europa Press, Mariano Rajoy sustentou ainda, citado pelo El País, que "o Estado de direito demonstrou que tem mecanismos democráticos e eficazes para se defender dos que o pretendem liquidar". E aproveitou para puxar novamente o tema económico para o debate eleitoral.

 

O líder conservador mostrou-se confiante de que a ida às urnas da próxima semana poderá interromper a deterioração do ambiente económico, que no segundo semestre do ano se alastrou da região mais rica para o resto do país. Algo que acontecerá, sustentou Rajoy, se a Catalunha abrir "uma nova etapa que supere definitivamente a política de desafio constante e de desobediência que marcou os últimos tempos".

 

Uma sondagem divulgada esta manhã pelo jornal "El Español", a dez dias das eleições, mostra que, apesar da ascensão do Cidadãos (Cs) de Inés Arrimadas – nascido na Catalunha com uma matriz anti-independência –, os partidos favoráveis à secessão devem mesmo alcançar a maioria absoluta: Esquerra Republicana de Catalunya, Junts per Cataluña e CUP recolhem entre 68 e 70 lugares, mais do que os 60 somados pelos "constitucionalistas" do Cs, da ala conservadora (PP) e dos socialistas (PSC).




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Silvia Arade 13.12.2017

Olá, sou Silvia Arade Depois de estar no relacionamento com meu marido há anos, ele terminou comigo, fiz todo o possível para trazê-lo de volta, mas tudo foi em vão, eu queria muito ele por causa do amor que eu tenho para Ele, implorei-o com tudo, fiz promessas, mas recusou. Eu expliquei o meu probl

Anónimo 11.12.2017

Os Catalães têm de ignorar Madrid e aplicar a sua Independência! E a comunidade internacional tem de deixar de tratar o povo Catalão como todos criminosos!!!

Dono dos Burros 11.12.2017

Rajoy, meu pequeno Franco, estás a precisar de um pontapé no cu.

Anónimo 11.12.2017

A Catalunha tem dé ter paciência e não afrontar Madrid. Na alma e no coração já são independentes e é tudo uma questão de tempo a seu favor.

pub