Política Rangel acusa Governo de "cortes brutais" em funções do Estado que "já causaram vítimas"

Rangel acusa Governo de "cortes brutais" em funções do Estado que "já causaram vítimas"

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel acusou hoje o Governo de "dar com uma mão e tirar com a outra" e de "deteriorar o Estado" com "cortes brutais" que já causaram vítimas "e não foram poucas".
Rangel acusa Governo de "cortes brutais" em funções do Estado que "já causaram vítimas"
Paulo Duarte
Lusa 01 de setembro de 2017 às 11:33

Numa intervenção na Universidade de Verão do PSD, iniciativa de formação de jovens quadros, Paulo Rangel acusou o primeiro-ministro de "confundir o Estado social com o Estado salarial", aumentando rendimentos mas, para cumprir as metas orçamentais europeias, fazer "cortes brutais" em áreas como a educação, saúde, segurança e protecção civil.

 

"O que lamento é que, para cumprirmos as metas europeias e criar a tal ilusão do Estado salarial, tenhamos criado condições de deterioração, de degradação dos nossos serviços públicos essenciais que já causaram vítimas e não foram poucas, é isto que eu lamento", disse, numa referência implícita às vítimas mortais (pelo menos 64) dos incêndios que começaram em Pedrógão Grande.

 

Para Rangel, aquilo que o Governo "dá com uma mão" - devolução de rendimentos de uma só vez e aumento de pensões - é menos importante do que aquilo "que tira com a outra".

 

"O governo da esquerda radical, que supostamente defende o Estado social e o Estado, tem uma política de rendimentos que pode ser de esquerda, mas tem uma política para o Estado que é ultraliberal: corta na saúde, corta na educação, corta na protecção civil", acusou.

 

"Eu não tenho qualquer dúvida de que o caos que se viveu na época de incêndios tem a ver com os cortes", acrescentou.




A sua opinião23
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 01.09.2017

Rangel tem 100% de razão!!! O que este governo fez foi aumentar a componente salarial da despesa. em contrapartida cortou na despesa de funcionamento com reflexos para os serviços prestados, Nalguns serviços não é muito grave, noutros como a saude e gravissimo. Vou dar um exemplo, eu pago passe mensal de Metro para ir trabalhar, desde que este governo tomou posse o serviço do Metro é vergonhoso!!! Tempos de espera em hora de ponta enormes, avarias (chamam-lhe perturbações......) a todo o momento, etc. A realidade é que o dinheiro não estica, para contentarem os empregados cagaram-se literalmente no cliente!!! Só os esquerdoidos não vêm a realidade!!!

comentários mais recentes
eleitor 05.09.2017

Esta inútil criatura , que só destila ódio , reflecte bem o que o PSD de P.Coelho quer para o Povo Português , um Povo submisso , pobre e doutrinado como no tempo da velha Senhora !

pertinaz 02.09.2017

CARREGA RANGEL...!!!

Anónimo 01.09.2017

O dinheiro que se desperdiça com empresas públicas com excesso de custos salariais como a CGD e a CP ou com o excedentarismo no sector público em sentido lato, dava para investir num bom sistema de segurança, identificação, alarme e video-vigilância nos paióis e arsenais portugueses assim bem como em meios aéreos adequados ao combate a fogos e em equipamento para limpar uma boa faixa de mata junto às estradas do nosso território e ainda sobrava muito dinheiro. Paga Zé, morre Zé.

Carrega PS 01.09.2017

Adoro ver o desespero destes filhos da puta que só enganaram e roubaram pensões

ver mais comentários
pub