Política Raríssimas: Vieira da Silva diz que tem todas as condições para se manter no cargo

Raríssimas: Vieira da Silva diz que tem todas as condições para se manter no cargo

O ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, Vieira da Silva, considerou hoje que mantém todas as condições para se manter no cargo e no Governo.
Raríssimas: Vieira da Silva diz que tem todas as condições para se manter no cargo
Bruno Simão/Negócios
Lusa 18 de dezembro de 2017 às 21:08

A garantia do ministro foi dada no final de uma audição na Comissão do Trabalho e da Segurança Social, onde foi ouvido durante três horas, a pedido do PS, sobre o caso Raríssimas.

 

Questionado pelos jornalistas no final da audição sobre se sente que "mantém todas as condições para continuar à frente deste cargo e no Governo", Vieira da Silva respondeu apenas: "obviamente que sinto". 

 

Sobre a audição, o ministro disse que "serviu para esclarecer tudo o que foi sendo dito ao longo desta semana" sobre a Raríssimas -Associação Nacional de Doenças Mentais e Raras, que já levou à demissão do então secretário de Estado da Saúde Manuel Delgado e da presidente da instituição Paula Brito e Costa.

 

"Julgo que esclareci tudo o que havia para esclarecer. Como disse antes estava tranquilo, continuo tranquilo. Não estou tranquilo com esta situação do ponto de vista da instituição em causa e da fragilização que constitui para aquelas respostas", frisou o ministro. 

 

"É a nossa prioridade, estamos a trabalhar nisso, temos lá gente todo o dia e toda a noite para que aquelas respostas que são dirigidas a pessoas muito frágeis, com problemas muito sérios não sejam postas em causa pela crise que se abriu", adiantou Vieira da Silva, que disse esperar que a situação seja "rapidamente resolvida".

 

Durante a audição, o ministro disse estar "muito preocupado" com o impacto desta crise no sector social.

 

"Defendo o papel estratégico do sector social e a confirmarem-se os factos denunciados isto será uma ferida séria no sector social", sublinhou. 

 

Sobre se ficou fragilizado por ter sido vice-presidente da assembleia-geral da Raríssimas, o ministro disse que não.

 

"Todos conhecemos a quantidade de personalidade públicas que se disponibilizaram em diversos momentos para contribuir para aquele projecto de respostas sociais. São inúmeros os acordos, os prémios que aquela instituição recebeu e que têm na base esse conjunto de vontades", afirmou aos jornalistas.

 

"Dado tratar-se de um cargo não executivo, dados os nomes das pessoas que faziam parte dos órgãos dirigentes e conhecendo, mesmo que à distância, o trabalho e a natureza daquela instituição, achei que era um dever cívico, mais do que um direito, que também o é, apoiar aquela instituição e foi isso que fiz", adiantou Vieira da Silva.

 

Na audiência, o ministro foi acusado pelo deputado centrista António Carlos Monteiro de ter assinado um protocolo entre a Raríssimas e a sua congénere sueca Agrenska, mostrando mesmo uma fotografia do ministro a escrever junto aos responsáveis das duas associações.

 

O ministro esclareceu que não assinou nenhum protocolo entre a Raríssimas e a Agrenska, tendo sido distribuído aos jornalistas o protocolo assinado entre as associações que mostra que foi assinado apenas por Paula Brito e Costa e Anders Olauson.

 

"Não me competia, nem me podia competir subscrever um protocolo que era entre duas entidades privadas", disse aos jornalistas. 

 

Uma reportagem divulgada em 09 de dezembro pela TVI deu conta de alegadas irregularidades nas contas da Raríssimas, tendo apresentado documentos que colocam a agora ex-presidente da associação, Paula Brito e Costa, como suspeita de utilizar fundos da Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) para fins pessoais.

 

Entre as irregularidades apontadas, conta-se a compra de vestidos de alta costura, de bens alimentares caros e o pagamento de deslocações, apesar de ter um carro de alta gama pago pela Raríssimas. Além disso Paula Brito e Costa terá também beneficiado de um salário de três mil euros, de 1.300 euros em ajudas de custos e de um Plano Poupança Reforma que rondava os 800 euros mensais.

 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 22.12.2017

O Costa tem consciência? Tanta festa depois de um ano SABOROSO. Se é assim então o Vieira da Silva também tem e até sua ".sogra".

O Vesgo anda sempre de consciência tranquila! 19.12.2017

O Vieira da Silva tb pertence à tralha Socrática! Tb está tranquilo como está Sócrates, o ele ser apertado é uma cabala politica! Pq não pode ter um carro topo de gama e casa em Paris e sustentar 4 (putas)?! Aí é q está, viveu e vive muito acima daquilo q aufere para esses luxos! O Zarolho não viu!?

Vieira e as IPPS 19.12.2017

Ministro do Trabalho, Vieira da Silva é reconhecido por todos a sua probidade e honradez, bem como o bom dolo de recuperar a Solidariedade e a Segurança Social, mas cuidado que o " Estado Mínimo" encontra-se à sanha dos marginais

Anónimo 19.12.2017

Esbanjar o que não é nosso não custa nada e dá sempre certo. Queria era ver se o guito saísse da vossa algibeira. Deve andar por aí grande regabofe nas IPSS, Fundações e Quejandos, que actuam em roda livre.
Por acaso sabe qual o preço cobrado a um velho para admissão num lar? Sabe que está a dar subsídios a lares que cobram mais de 1200 €/mês? Sabe que quem não puder pagar não tem direito a lar legalizado? O Sr. sabe mas finge que está tudo bem!

ver mais comentários
pub