Segurança Social Recibos verdes: tradutores contra novas taxas para empresas contratantes

Recibos verdes: tradutores contra novas taxas para empresas contratantes

Tradutores temem que imposição de nova taxas às empresas contratantes acabe por conduzir ao seu despedimento. Numa carta enviada ao Presidente, primeiro-ministro, ministro do Trabalho e grupos parlamentares, pedem criação de um estatuto de excepção.
Recibos verdes: tradutores contra novas taxas para empresas contratantes
SeongJoon Cho/Bloomberg
Negócios com Lusa 08 de janeiro de 2018 às 20:28

Cerca de 60 de tradutores, que trabalham como independentes, pedem que os seus contratantes não tenham de comparticipar os seus descontos para a Segurança Social, porque temem perder o trabalho. 

O pedido foi feito numa carta enviada ao Presidente da República, ao primeiro-ministro, ao ministro do Trabalho e Segurança Social e aos grupos parlamentares a contestar o novo regime de Segurança Social aprovado em 21 de dezembro em Conselho de Ministros.

"Solicitamos que se abandone a imposição de comparticipações de entidades contratantes à Segurança Social no nosso contexto específico de prestadores de serviços independentes, se necessário mediante a criação de um estatuto de profissão, como existe já em outros casos".

Em causa está o agravamento das taxas a pagar pelas empresas que asseguram mais de 80% do rendimento de um independente, de 5% para 10%. Quando o grau de dependência variar entre 50% e 70%, passa a aplicar-se uma taxa, que será de 7%. O objectivo é que sejam cobradas em 2019, com base no trabalho de 2018.

Os tradutores temem que as taxas venham a ser "uma sentença de morte para os verdadeiros recibos verdes". "No caso específico dos tradutores, especialmente na área literária, dificilmente se mantêm mais de três clientes, devido à morosidade de cada projecto contratado. Com a agravante de que se é sempre mais requisitado por um deles, o que projecta facilmente os rendimentos muito acima da fasquia dos 50%", referem na carta.

As empresas pedem que se constituam como sociedades unipessoais mas os signatários dizem que boa parte não tem rendimentos para isso, o que os atira "inevitavelmente para o desemprego".
n Negócios com lusa




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Bom dia!
"Despedimento" é um termo errado quando aplicado a trabalhadores por conta própria que prestam serviços a entidades.

pub