Zona Euro Recusados pelos Liberais, italianos do 5 Estrelas regressam à família UKIP

Recusados pelos Liberais, italianos do 5 Estrelas regressam à família UKIP

Depois de uma saída ruidosa da aliança com os independentistas britânicos, os populistas do 5 Estrelas viram negada a entrada no grupo dos Liberais Democratas e voltam à casa de partida. Agora com menos poder.
Recusados pelos Liberais, italianos do 5 Estrelas regressam à família UKIP
Paulo Zacarias Gomes 10 de Janeiro de 2017 às 20:40
O partido italiano Movimento 5 Estrelas, que tinha abandonado no início desta semana a aliança com os independentistas britânicos do UKIP no Parlamento Europeu, viu recusada a sua integração no grupo político dos Liberais e acabou por regressar à aliança original, mas perdendo poder.

Nigel Farage, o fundador do UKIP, deu conta de que as divergências entre as duas formações foram dissipadas "de forma amigável".

Os 17 eurodeputados do 5 Estrelas regressam assim ao grupo comum (EFDD, organização da Europa da Democracia Livre e Directa) mas com "alterações administrativas", nomeadamente com a abdicação de David Borrelli, o italiano que era co-presidente da EFDD, que reforçam o poder do UKIP.

Este tinha sido, de acordo com a Reuters, um dos principais negociadores com a Aliança dos Liberais e Democratas para a Europa (ALDE).

"Falhado o acordo com o grupo ALDE, respeitámos a vontade expressa pela organização, escolhendo a segunda opção mais votada: permanecer no EFDD," escreveu Beppe Grillo no seu blogue, onde dedica ainda palavras fortes a Guy Verhofstadt - o belga actualmente candidato a presidente do Parlamento Europeu e que tentou levar o 5 Estrelas para o ALDE, sem sucesso.

Verhofstadt "devia ter vergonha de si próprio porque, tal como um cobarde, cedeu à pressão do establishment", acrescentou Grillo, líder da força anti-sistema transalpina.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub