Economia Reestruturação da dívida pública? Só de prazos e juros e com acordo da Europa

Reestruturação da dívida pública? Só de prazos e juros e com acordo da Europa

As poupanças juntamente com a extensão de maturidades e redução de juros permitem reduzir em 39% o valor presente da dívida.
A carregar o vídeo ...
Rui Peres Jorge 28 de abril de 2017 às 06:00
O grupo de trabalho sobre a sustentabilidade das dívidas pública e externa criado pelo PS e Bloco de Esquerda propõe que Governo defenda um programa de reestruturação das dívidas públicas excessivas europeias que, no caso português, assentaria em três dimensões: uma extensão da maturidade média dos 51,6 mil milhões de euros de dívida à União Europeia e da Zona Euro dos actuais 15 anos para 60 anos; a redução da taxa de juro média cobrada dos actuais 2,4% para 1%; e a manutenção indefinida no balanço do Banco de Portugal dos 28 mil milhões de euros de dívida pública que o banco central terá acumulado no final deste ano no âmbito do programa de compra de activos do BCE (PSPP). A estas medidas acrescentariam outras quatro de poupança em juros que dependem apenas do Governo.

"Com este formato – reestruturação da dívida ao sector oficial europeu acompanhada de medidas de optimização da gestão da restante dívida pública – a dívida directa do Estado seria reestruturada em cerca de 31%, atingindo-se uma redução do valor presente da dívida pública de cerca de 39% do PIB. De forma simplificada, estima-se que o valor presente da dívida pública (estimativa equivalente à "dívida de Maastricht") cairia de 130,7% para cerca de 91,7% do PIB", lê-se no relatório, que estima uma redução da despesa com juros de 450 milhões de euros em 2018, que cresceria para 1.900 milhões em 2023, ano em que poderia mesmo chegar aos 2800 milhões de euros, caso o PSPP fosse estendido no tempo.

Esta é a solução encontrada para reduzir significativamente o fardo da dívida, defendem. Mesmo sem PSPP, a taxa de juro implícita da dívida nacional cairia de 3,2% para 2,3% (e não só para 2,8% como acontece com as quatro medidas de poupança em juros). Além disso, notam, um exercício deste tipo,  evitaria um choque nos mercados: "Não seria necessária uma reestruturação do valor facial dessa parte da dívida pública. A restante dívida pública não seria afectada. [E] a reestruturação não constituiria um evento de incumprimento uma vez que seria realizada através de acordo com os parceiros europeus", escrevem. A dependência dos parceiros europeus implica no entanto deixar este plano para uma segunda fase, sendo apresentado apenas como uma proposta com "ideias que Portugal deve defender a nível europeu num quadro de diálogo multilateral".

Os resultados do relatório são apresentados esta sexta-feira, dia 28, pelas 14:30, e incluem também os impactos da reestruturção da dívida e das outras poupanças sobre a factura de rendimentos pagos ao exterior. Os autores notam que as políticas de redução de dívida não devem travar estratégias de promoção da sustentabilidade das contas externas, como a substituição de importações.

(Título alterado para incluir juros, tornando-o mais claro)

A sua opinião39
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

As reformas do anterior governo e da troika permitiram regressar aos mercados de dívida. Com este governo as reformas estão a ser revertidas e o acesso renovado e facilitado aos mercados de dívida está a ser usado para cometer os mesmos abusos injustos e insustentáveis do passado.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Em Portugal acabou a austeridade. 8 concelhos, incluindo aglomerados populacionais isolados, fora de grandes áreas metropolitanas com concelhos conurbados, como a Covilhã, Aveiro e Chaves, sem INEM à noite. Os custos do excedentarismo na administração pública incluem cortar onde não se deve mas é mais fácil cortar, para manter excedentários de carreira sindicalizados cujo posto de trabalho já nem sequer se justifica, mas que não podem ser legalmente despedidos. Acabou-se a austeridade mas foi para os que levam a República à falência, para os grandes causadores da crise. E os tetraplégicos já nem conseguem obter pensão de invalidez para os serviçais da Segurança Social levarem um bónus para casa que o que já arrecadavam não lhes chega para serem competentes e sérios. Parece a malta do sindicato dos impostos a ameaçar com uma explosão de corrupção se não lhes pagarem mais ou os estivadores a parar os portos enquanto não voltarem os cavalos e o vapor... Portugal está entregue às máfias.

canos Há 3 semanas

muitos comentarios mas afinal o resultado final vai ser o mesmo do eng Socrates.Portugal quer e feriados mais dias de ferias menos horas de trabalho e mais funcao publica para os canhotos ganharem sempre.mas ate quando.eu sei quando acabar o dinheiro.sempre foi assim e sempre sera.pobres tugas.

Anónimo Há 3 semanas


Os médicos do SNS são uns chulos.

Assim é que é:

Os funcionários públicos com médico privado...

os pobres privados de médico.

Anónimo Há 3 semanas


Ladrões PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...


os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para sustentar o pagamento do buraco anual das pensões dos ladrões FP-CGA.


ver mais comentários
pub
Notícias Relacionadas
pub
pub
pub