Economia Reforma do sector financeiro de Rajoy empurra bancos espanhóis para quedas de 4%

Reforma do sector financeiro de Rajoy empurra bancos espanhóis para quedas de 4%

O Santander e o BBVA já estavam em queda mas intensificaram as desvalorizações, depois de apresentado o plano de reestruturação para o sector financeiro espanhol. O IBEX-35 já cai 3%. Taxas de juro implícitas da dívida espanhola estão a subir.
Diogo Cavaleiro 11 de maio de 2012 às 14:29
Os bancos espanhóis estão a reagir de forma negativa ao plano de reforma do sector financeiro, que os obrigará a aumentar, em força, as provisões.

O IBEX-35 está a recuar 3,00% para os 6.834,60 pontos, numa sessão em que já esteve acima dos 7.000 pontos. O principal índice da bolsa espanhola já estava a cair, em antecipação às decisões do conselho de ministros, mas os investidores ficaram pessimistas perante o que foi anunciado.

A criação de um banco que administre os activos imobiliários do sector financeiro espanhol e o aumento das provisões até 52% do crédito imobiliário não problemático são os passos que o governo de Mariano Rajoy hoje anunciou para sanear os balanços do sector. Se assim não for, o Estado poderá recorrer a ajuda directa aos bancos.

Este plano está a pressionar os bancos espanhóis, que estavam já a negociar em terreno negativo, mas com quedas inferiores a 1%. Agora, os bancos já descem em torno de 4%.

O Santander está a cair 4,07% para 4,72 euros, ao passo que o BBVA segue nos 5,072 euros, ao deslizar 4,48%. O Banco Popular Espanhol está a ser transaccionado nos 2,048 euros, ao registar uma quebra de 5,23%. Este último já desceu até um mínimo de 1993.

O mercado de dívida também está a sentir os efeitos deste plano para a banca. Os investidores estão a pedir rendibilidades mais elevadas para transaccionar títulos de dívida espanhola, em subidas na ordem dos 10 pontos base nos prazos mais curtos.

A taxa de juro implícita da dívida espanhola a dez anos está a subir 4,6 pontos base para 6,036%, superando novamente a fasquia dos 6%, de acordo com as taxas genéricas da Bloomberg.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Bigodes Há 2 semanas

quem gasta mais do que tem, é o que dá, mudem as leis e prendam os criminosos. sem recurso... e mais recurso...o povo é culpado por isso, porque deixa....

pub