Economia Reformas somam até 7,5% ao PIB em dez anos, diz estudo das Finanças

Reformas somam até 7,5% ao PIB em dez anos, diz estudo das Finanças

Estudo de economistas das Finanças estima que as reformas do Programa Nacional de Reformas para as áreas de educação, inovação, emprego e financiamento da economia gerem “ganhos significativos” na economia.
Reformas somam até 7,5% ao PIB em dez anos, diz estudo das Finanças
Rui Peres Jorge 12 de outubro de 2017 às 23:10

As medidas de política para as áreas da educação, inovação, emprego e financiamento da economia incluídas no Programa Nacional de Reformas (PNR) poderão acrescentar 7,5% ao PIB nacional no espaço de 10 anos, estima um recente estudo publicado pelo Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (GPEARI) do Ministério das Finanças, e assinado por Ana Fontoura Gouveia e Ana Filipa Fernandes.

As conclusões devem ser lidas com a cautela necessária a simulações teóricas, desde logo pelas simplificações a que obrigam: são modelos estilizados de agentes racionais e que não permitem simular todos os tipos de choques à economia. Além disso, o modelo mede o impacto macro-económico do PNR assumindo que os resultados macro-económicos pretendidos, por exemplo a criação de emprego ou o aumento de investimento no período são, efectivamente, atingidos.

Feitas as ressalvas, trata-se de um instrumento fundamental no suporte teórico à agenda de reformas do actual Governo, que criticou a estratégia do antecessor – e de resto a própria estratégia europeia de reformas dos últimos anos – por se focar na consolidação orçamental e na redução do Estado, na flexibilização geral do funcionamento da economia e dos mercado de trabalho em particular, sem cuidar de calibrar e sequenciar as medidas, acabando por agravar a crise. "As reformas em si foram bem intencionadas. No entanto, aplicadas num contexto de crise, geraram sofrimento económico e social adicional", afirmou Mário Centeno em  meados de Setembro numa conferência sobre o aprofundamento da União Económica e Monetária. O ministro das Finanças tem dito o mesmo sobre Portugal embora, por outro lado, reconheça por exemplo nas conversas com o FMI que as transformações estruturais da economia da última década estão a beneficiar o crescimento.

A implementação das reformas selecciona- das pode trazer ganhos significativos
de longo prazo.
Ana Fontoura Gouveia
e Ana Filipa Fernandes "Structural reforms and long term growth"

Manter a herança, mudar o rumo

Apesar das críticas, o Governo manteve a maior parte das medidas de liberalização e flexiblização implementadas pelo anterior governo – contrariando a ideia da reversão generalizada. Ao mesmo tempo também não avançou mais nessas frentes, e imprimiu outras prioridades. E isso é evidente no artigo agora publicado pelo GPEARI, que se foca em quatro áreas nobres do PNR: a educação, através da redução do peso da mão de obra pouco qualificada para 50% do total; a inovação, via aumento do emprego científico em 8500 postos até 2020; no emprego, promovendo uma subida na taxa de emprego geral de 2,25 pontos também até 2020, através de vários programas de incentivos ao empregos; e, finalmente, no financiamento da economia, através de linhas bonificadas de crédito, que acrescentem 5 mil milhões de euros ao investimento.

Se os objectivos forem atingidos, então, ao fim de dez anos, o PIB português poderá ser aumentado em 7,5% em dez anos, estimam as duas economistas, cujos resultados destacam a importância da educação (contribuindo com 2,7 pontos para os 7,5%) e do emprego adicional (que explica entre 2,1 a 2,8 pontos).   "As estimativas mostram que a implementação das reformas seleccionadas pode trazer ganhos significativos de longo prazo em termos de crescimento potencial, derivado do aumento do investimento, das melhorias de produtividade e do crescimento do emprego", escrevem no texto.

Que balanço do passado?

O artigo agora publicado inclui-se numa sequência de artigos sobre reformas estruturais e produtividade que tem vindo a ser desenvolvidos por economistas do Ministério das Finanças, Banco de Portugal e outras instituições sobre reformas e produtividade nos últimos anos, que foram publicados este ano, e que contam com o contributo de Ana Fontoura Gouveia, que lidera o departamento de análise económica do GPEARI.

As principais conclusões evidenciam a importância da adequada sequenciação e calibragem de reformas face aos objectivos e às estruturas produtivas das economias. Destacando-se ideias como a existência de custos de curto prazo nas reformas convém acautelar; o facto da maior flexibilidade do mercado de trabalho poder criar emprego, mas prejudicar a produtividade da economia (já que poderá beneficiar principalmente uma franja de empresas pouco produtivas); ou a de que há sectores vencedores e perdedores dos vários tipos de reformas – por exemplo, melhorias institucionais e no sistema financeiro tendem a beneficiar empresas menos produtivas, enquanto melhorias  nas leis de insolvência, na educação ou na inovação são especialmente benéficas para sectores de produtividade mais elevada.

As reformas [passadas] foram bem intenciona- das. No entanto, aplicadas num contexto de crise geraram sofrimento adicional. Mário Centeno
Ministro das Finanças, Setembro



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Obrigado troika. Muito ficou por fazer.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub