Finanças Públicas Regling: "Espanha, Irlanda, Portugal e Chipre entre os campeões de crescimento" graças às reformas

Regling: "Espanha, Irlanda, Portugal e Chipre entre os campeões de crescimento" graças às reformas

O líder do fundo de resgate da Zona Euro atribuiu o bom desempenho económico nacional às reformas implementadas nos tempos da troika. Mecanismo Europeu defende mais prudência orçamental, uma aceleração da limpeza da banca e cautela no salário mínimo.
Regling: "Espanha, Irlanda, Portugal e Chipre entre os campeões de crescimento" graças às reformas
Bloomberg
Rui Peres Jorge 15 de junho de 2017 às 14:50

As reformas implementadas no tempo da troika estão a dar resultados em termos de crescimento económico, entende Klaus Regling, o director-geral do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), o fundo de resgate da Zona Euro, para quem os efeitos positivos do ajustamento dos últimos anos não são suficientemente reconhecidos.

A mensagem surge no relatório anual do MEE, publicado a 15 de Junho, e no qual se recomenda que Portugal aprofunde os mecanismos de boa gestão orçamental, acelere a limpeza do balanço dos bancos e acautele os efeitos negativos da subida do salário mínimo sobre a competitividade.

"Muitas vezes não é suficientemente reconhecido que os ajustamentos nas áreas orçamental e de competitividade tiveram um impacto positivo no crescimento e no emprego ao fim de algum tempo, mesmo que tenham sido dolorosos inicialmente", escreve Klaus Regling na abertura do relatório anual da instituição, acrescentando que "é particularmente gratificante ver que todos os antigos países de programa – Espanha, Irlanda, Portugal, e Chipre – estão entre os campeões de crescimento na Europa". Para o líder do fundo de resgate "isto mostra que a abordagem do MEE de providenciar solidariedade aos países da Zona Euro em troca de reformas económicas funciona".

Da análise do MEE à situação económica nacional sobressai a ideia de que o actual bom momento não deve ser dado como garantido. Os bons resultados orçamentais ainda carecem de políticas enraizadas de boa gestão, os bancos estão frágeis e o mercado de trabalho e competitividade continua a ser importantes desafios, avisa-se.

"Esforços para entrincheirar políticas orçamentais prudentes para dessa forma colocar a elevada dívida pública numa trajectória descendente devem ser fortalecidos. O sistema bancário português continua vulnerável devido à baixa rentabilidade e elevado malparado, apesar da recapitalização dos dois maiores bancos representar um desenvolvimento positivo. (…) [E] o aumento do salário mínimo suportou a despesa dos consumidores, mas o aumento dos custos laborais pode colocar em risco os ganhos de competitividade", lê-se nas páginas do relatório dedicadas a Portugal.

Face aos desafios colocado pela elevada dívida e baixo crescimento potencial, o país "deve continuar a adoptar as medidas recomendadas pelo Conselho da UE que visam promover a competitividade. [Assim como] continuar a lidar com o elevado stock de crédito malparado no balanço dos bancos", recomenda o MEE, que é maior credor do país, com um empréstimo de 26 mil milhões de euros.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 15.06.2017

Em Portugal, reformas, só se forem as chorudas reformas vitalícias de alguns. Na Irlanda sim, fizeram reformas. As autarquias daquele rico e bonito Estado-Membro da UE reduziram o staff em mais de um terço atacando assim de forma séria e adequada o grave problema do excedentarismo. Obviamente que as leis de lá, tal como as lideranças políticas, não são a vergonha das daqui. "Under a financial plan agreed with the department to tackle Sligo's dire financial situation, the council must cut its workforce by 42%. At this point, staffing levels have dropped by 37% or by 237 people." https://www.rte.ie/news/2016/1003/821039-sligo-library/

comentários mais recentes
Anónimo 15.06.2017

Em Portugal, reformas, só se forem as chorudas reformas vitalícias de alguns. Na Irlanda sim, fizeram reformas. As autarquias daquele rico e bonito Estado-Membro da UE reduziram o staff em mais de um terço atacando assim de forma séria e adequada o grave problema do excedentarismo. Obviamente que as leis de lá, tal como as lideranças políticas, não são a vergonha das daqui. "Under a financial plan agreed with the department to tackle Sligo's dire financial situation, the council must cut its workforce by 42%. At this point, staffing levels have dropped by 37% or by 237 people." https://www.rte.ie/news/2016/1003/821039-sligo-library/

Camilo Lourenço 15.06.2017

Não percam o meu artigo de opinião de hoje, dentro de duas horas. Até já,

Anónimo 15.06.2017

Reformas? A companhia aérea de bandeira da Irlanda, uma das mais dinâmicas e prosperas economias da Europa, já despedia excedentários em 2009. Em Portugal nem que a vaca tussa. "Irish flag-carrier airline says redundancies could exceed 1,000 after negotiations on changes in conditions, layoffs and pay cuts fail" https://www.theguardian.com/business/2009/dec/02/aer-lingus-jobs-talks-collapse

Anónimo 15.06.2017

A. Lopes
Tu deves achar-te o máximo, o supra-sumo da economia, o rei das previsões, muito melhor que nostradamus, e também líder mundial do achismo, ainda melhor que o Trump, és mesmo máximo dos máximos!!!
Se calhar, não consegues governar a tua vida e vens para aqui dar palpites do que não sabes.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub