Europa Reino Unido prepara proposta "muito generosa" para cidadãos europeus no país

Reino Unido prepara proposta "muito generosa" para cidadãos europeus no país

As negociações do Reino Unido com a União Europeia devem arrancar segunda-feira. Os preparativos estão a ser feitos. O Financial Times fala de uma proposta generosa para os cidadãos europeus residentes no Reino Unido.
Reino Unido prepara proposta "muito generosa" para cidadãos europeus no país
Chris Ratcliffe/Bloomberg
Alexandra Machado 15 de junho de 2017 às 09:37

Os preparativos no Reino Unido para o arranque das negociações para o Brexit estão a ser feitos, tendo o Financial Times noticiado esta quinta-feira, 15 de Junho, que o ministro com o dossiê, David Davis, planeia avançar com um proposta "muito generosa" sobre os direitos dos cidadãos europeus que vivem no Reino Unido, e que são cerca de três milhões.

Os diplomatas britânicos viajam já esta quinta-feira para Bruxelas para finalizar os pormenores para o arranque formal das negociações previsto para a próxima segunda-feira, e segundo fontes governamentais britânicas Davis está "determinado a iniciar" o processo.

No início desta semana Davis chegou a admitir que as negociações pudessem não arrancar formalmente dia 19 de Junho: "O meu secretário permanente está hoje em Bruxelas a falar com eles [Comissão Europeia] sobre os detalhes. Pode não ser na segunda-feira [que comecem as negociações] porque também temos o discurso da Rainha nessa semana e vou ter de discursar", afirmou, citado pela Reuters.

Já na quarta-feira, a chanceler alemã, Angela Merkel, afiançou que a União Europeia está preparada para iniciar as negociações no dia 19 de Junho, conforme planeado, apesar do resultado eleitoral do escrutínio de 8 de Junho no Reino Unido, que ditou a perda da maioria parlamentar para os conservadores. Isto apesar de notícias que têm revelado tensão no grupo britânico que está mandatado para negociar o Brexit. Aliás, conforme noticiou o FT esta semana dois elementos deste gabinete bateram com a porta antes das negociações começarem. O FT fala em irritação por parte de Davis a propósito destas notícias de que a equipa para o Brexit está caótica e que não tem um mandato claro para as negociações.

Mas, na bagagem Davis levará, de acordo com o jornal britânico, uma proposta de garantia dos actuais direitos para os cidadãos europeus que vivem no Reino Unido, assumindo, fontes ligadas ao governo britânico, que o país garantirá que tratará esses cidadãos da "forma justa como têm sido tratados até aqui".

Esta quinta-feira, Theresa May, primeira-ministra britânica, vai presidir a uma reunião do comité para o Brexit, com o ministro das Finanças, Philip Hammond, a falar sobre o ambiente empresarial pós-Brexit na assembleia anual da elite financeira, que decorrerá esta noite, onde também o governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney, se encontrará.

As expectativas, segundo a Reuters, é que no discurso desta quinta-feira Hammond possa revelar alguma coisa do plano do governo britânico para responder às preocupações dos eleitores que revelaram preocupação face ao corte de gastos públicos necessários para que o país atinge um excedente orçamental até meados de 2020, conforme delineado. A Reuters noticia que o governo britânico estará a admitir reforçar o apoio a investimentos, desde start-ups até projectos de infra-estruturas como forma de manter a economia a crescer depois da saída da União Europeia. Isto porque, actualmente os britânicos podem concorrer a financiamento do BEI ou do Fundo de Investimento Europeu. Com o divórcio europeu, Hammond quererá assegurar que estes financiamentos continuarão a estar disponíveis, nomeadamente, acrescenta a Reuters, mantendo negociações com o BEI para que o acesso aos fundos continue disponível.

Também esta quinta-feira o Banco de Inglaterra vai divulgar a sua declaração sobre política monetária, naquela que será a primeira reacção depois das eleições. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Francisco António 15.06.2017

Pois é ! Vai custar dar o "braço a torcer" ! Boris, o actual MNE tal como o senhor Farage do defunto Ukip meteram o UK numa alhada em que sairão todos a perder ! É o que acontece com os adolescentes quando regressam as andorinhas e os apanham os primeiros calores da Primavera !

lol 15.06.2017

Inglaterra acabou, saiam dessa terrinha

pub
pub
pub
pub