Justiça Relação confirma condenação de Narciso Miranda por abuso e falsificação

Relação confirma condenação de Narciso Miranda por abuso e falsificação

O Tribunal da Relação do Porto (TRP) confirmou a condenação do ex-presidente da Câmara de Matosinhos Narciso Miranda a dois anos e dez meses de prisão suspensa, por um crime de abuso de confiança e outro de falsificação.
Relação confirma condenação de Narciso Miranda por abuso e falsificação
Ricardo Pereira/Sábado
Negócios 02 de fevereiro de 2017 às 13:24
Segundo um acórdão do TRP, a que a Lusa teve acesso esta quinta-feira, 2 de Fevereiro, foi negado provimento ao recurso interposto por Narciso Miranda.

Em declarações à Lusa, o advogado Artur Marques, que defende o ex-autarca, disse que ainda não analisou o acórdão, mas afirmou que a decisão "em princípio é irrecorrível".

Narciso Miranda, que já anunciou que vai candidatar-se à presidência da Câmara de Matosinhos como independente nas eleições autárquicas de 2017, terá assim de pagar 35.700 euros à Associação de Apoio às Pessoas com Cancro, como impõe a pena aplicada na primeira instância, para evitar prisão.

O acórdão dá como provado que Narciso Miranda usou, em proveito próprio, 35.700 euros, dinheiro proveniente de uma subvenção estatal à sua candidatura à Câmara de Matosinhos, em 2009, ano em que concorreu como independente.

A acusação refere que o ex-autarca canalizou as verbas para a associação "Narciso Miranda - Matosinhos Sempre", procedendo em seguida ao seu levantamento, em tranches inferiores a 15 mil euros, para evitar a comunicação à Polícia Judiciária.

Para justificar a saída do dinheiro, o arguido usou uma factura de obras pretensamente realizadas na sede da referida associação.

No mesmo processo foram condenados outros dois arguidos, ambos ligados ao sector da construção civil, por prática, em co-autoria, do crime de falsificação. Foram ambos condenados a um ano de prisão, suspensa na sua execução.

Em Março de 2016, o Tribunal de Matosinhos absolveu, pela segunda vez, o ex-autarca, num outro processo em que era acusado dos crimes de abuso de confiança, peculato, participação económica em negócio e simulação de crime.

Os factos remontam aos anos de 2010 e 2011, estando relacionados com as funções de Narciso Miranda enquanto presidente do conselho de administração da Associação de Socorros Mútuos de S. Mamede Infesta (ASMSMI), em Matosinhos.

O ex-autarca estava acusado, enquanto líder da mutualista, de adjudicar serviços a uma empresa detida pela filha e por outro indivíduo, co-arguidos no mesmo processo, alguns deles de forma ilegal ou nunca realizados, e simular o roubo de um 'smartphone'.

O Ministério Público recorreu desta decisão para a Relação.

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub