Economia Relvas: Já não era administrador na Finertec quando empresa assinou acordo com Ongoing

Relvas: Já não era administrador na Finertec quando empresa assinou acordo com Ongoing

"Tenho direito ao meu bom nome", disse o ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares.
Negócios 30 de Maio de 2012 às 20:24
Miguel Relvas disse hoje, na Comissão de Assuntos Constitucionais, que nunca apresentou o ex-director do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED), Jorge Silva Carvalho, a ninguém, nem celebrou qualquer contrato com o antigo chefe das Secretas.

Sobre o encontro de Março do ano passado entre a Finertec, onde era administrador, e a Ongoing, representada na altura por Silva Carvalho e outros membros, o ministro diz ter estado presente na qualidade de administrador de uma empresa onde trabalhava e que saiu da Finertec a 5 de Maio, antes de a campanha eleitoral ter início.

“Não tive um encontro com Silva Carvalho, foi um encontro entre a Ongoing e a Finertec”, declarou o ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares, salientando que se tratou de uma reunião de trabalho, no âmbito da sua vida empresarial, onde estiveram presentes variadíssimas pessoas.

O ministro respondia, assim, ao PS, que o questionou sobre o facto de não ter referido – na anterior comissão onde foi ouvido, a 15 de Maio – a sua participação numa reunião entre a Ongoing e a Finertec.

Relativamente ao acordo celebrado entre as duas empresas, “quando foi assinado o acordo, eu já não era membro da Finertec”, disse Relvas, sublinhando que nunca desenvolveu uma conversação de cariz contratual com Silva Carvalho. “Não tenho nada a ver com este processo, não o acompanhei, e esta é a realidade”. Além disso, declarou não saber o desenvolvimento desse acordo, “pois há protocolos que não dão algo de concreto”.

“Desde que sou membro do governo, não tive nenhum contacto. Não recebi emails nenhuns”, afiançou. “Se alguém tivesse sido nomeado nessas circunstâncias, os deputados tinham direito a essa suspeição. Não tendo havido isso, tenho direito ao meu bom nome”.

Quanto à existência de relatórios – nomeadamente sobre Ricardo Costa, Pinto Balsemão e Finertec – Relvas disse nunca ter ouvido falar deles. “Eu soube pela imprensa que havia relatórios”, afirmou. “Indigno-me que estivessem a ser feitos relatórios sobre uma empresa que cumpria a lei, que gerava riqueza neste País”, disse, referindo-se à Finertec.

A audição teve início às 17h30 e terminou às 20h24. A questão da alegada pressão sobre a jornalista do "Público" não foi abordada.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
rui 31.05.2012

Ninguem explicou a este senhor que os acordos demoram meses para serem assinados?? nenhum acordo é alcancado em apenas 2 meses, assim que sim este acordo tinha tambem o selo do relvas e possivelmente a sua ida para o governo era a porta de entrada para a preferencia que se da aos angolanos nos negocios, vejam o caso BPN

Miguel Relvas actor 30.05.2012


A performance do ministro Migual Relvas, na sua audição de hoje, na comissão da AR, foi impecável, perfeita, digna de um Orson Welles, nos seus melhores tempos de actor, absolutamente convincente, de um verdadeiro anjo.

A sua representação, muito bem urdida, assentou essencialmente na desmaterialização dos factos e na vitimização.

Isto é, não se passou nada, afinal, sendo que a ameaça à jornalista do jornal "Público" de exposição da sua vida privada apenas existe no reino onírico dos sonhos e não passa de uma inventona de mentes pérfidas que se comprazem apenas com o mal dos outros.

Só faltou ser levado em ombros, no final da comédia.

P.S. - Foi pena !
Só falhou num único pormenor.
Miguel Relvas não contou que os portugueses têm também um cérebro para raciocinar e não são propriamente uns tansos, como ele gostaria que fossem.

O sr. Miguel Relvas que se cuide, porque ainda agora a procissão vai no adro, como diz o povo da minha terra, e há muita, muita coisa a esclarecer.

Manuel 30.05.2012

Quando a podridão começa a aparecer a culpa é sempre do vizinho.
Estou com pena do homem! Basta olhar para a cara dele para perceber que é um bonacheirão, uma pessoa sã, pura, sem qualquer conhecimento do que é a malícia, e andam aí uns malandros a dizer mal do pobre coitado.
Bem vistas as coisas, este senhor, e todos os outros em quem a maioria votou serão os melhores de Portugal. Afinal foram eles os escolhidos, o que quer dizer que todos os restantes são bem piores. Imaginem o que seria um qualquer de entre nós, os pacóvios, a ser nomeado para aquela (ou uma daquelas) posição!

SHERLOCK HOLMES 30.05.2012

Por muito que te defendam, por muito que tenhas razão ,estás tramado RELVAS . A máquina trituradora do BALSEMÃO não te pode perdoar . Começou com a infantaria ,na VISÃO e no EIXO DO MAL , vai artilhar o EXPRESSO ,mas nunca há-de virar a cara à luta ,porque a privatização da RTP será o fim da IMPRESA. Não dá para todos, e ele não está habituado a perder...Aprende com o EXPRESSO como se faz uma mistura de insinuações,porque ele é o BOSS e tu o mais que foste foi administrador da FINERTEC...Cada um tem o que merece....

ver mais comentários
pub