Saúde Remuneração e horários afastam médicos do Serviço Nacional de Saúde

Remuneração e horários afastam médicos do Serviço Nacional de Saúde

Um estudo da Universidade do Porto mostra que um terço dos médicos foram trabalhar em exclusivo para o privado e que quase metade dos jovens médicos ponderam emigrar após concluir o internato de especialidade.
Remuneração e horários afastam médicos do Serviço Nacional de Saúde
Negócios 11 de dezembro de 2017 às 09:22

A remuneração, o número de horas de trabalho, a progressão na carreira e as condições físicas e dos equipamentos. Estes são os cinco factores críticos apontados pelos médicos para sustentar a decisão de saída do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

 

De acordo com o estudo "A carreira médica e os factores determinantes da saída do Serviço Nacional de Saúde (SNS)", noticiado esta segunda-feira, 11 de Dezembro, pela Lusa, Público e TSF, 36% dos que abandonaram o sistema público foram trabalhar em exclusivo para o privado, sendo que mais de 80% já antes acumulavam funções.

 

Enquanto 43% dos 812 que responderam ao inquérito realizado por Marianela Ferreira tenham saído por reforma, 7% decidiu ir exercer medicina no estrangeiro. A desilusão é mais visível entre os profissionais mais jovens: só um terço dos internos diz que "provavelmente" ou "definitivamente" ficará no sector público em Portugal; e quase metade admite a possibilidade de emigrar.

 

"É notório que a saída de médicos do SNS não se prende com o abandono do exercício da medicina, mas sim com a procura de melhores condições para o exercício da actividade médica", refere a investigadora do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, citada pela TSF, que escreve que metade dos médicos não aufere mais de 3.000 euros brutos mensais.

 

Apresentado como o primeiro grande estudo sobre o abandono do SNS, este trabalho foi realizado em colaboração com a Ordem dos Médicos (OM) e trabalhou um universo correspondente aos 13.801 médicos inscritos na OM do Norte, 27% do total nacional. O bastonário, Miguel Guimarães, referiu ao Público que este exercício, abrangendo especialistas, internos e médicos que saíram para o privado, vai ser alargado às zonas Centro e Sul.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tentando Perceber a Política Há 3 semanas

A classe Médica e Enfermagem está a ser o Pior Sector da Função Pública, ultrapassando já de longe os Comunistas da CGTP, ao ponto de já ser mais vantajoso, contratar serviços a Privados, e deixar de pagar Estudos aos estudantes.

Anónimo Há 1 semana

3000 euros brutos + horas extra à balda + subsidios disto e daquilo + actividade privada nas horas do serviço público. Ainda sobra tempo para jogar golfe , ir a congressos no fim do mundo , etc. etc

Medico Há 1 semana

3000 euros brutos??? Em fevereiro começo em Estocolmo, vou ganhar o triplo.

Anónimo Há 1 semana

O serviço Nacional de Saúde, precisa de médicos que queiram dedicar-se á causa dos doentes que os procuram. Os vencimentos para eles não é problema, porque no país ganham acima da média e estão cá. Não sabem o que é emigrar.

pub