Mundo Republicanos querem cortar a fundo na despesa para reduzir impostos

Republicanos querem cortar a fundo na despesa para reduzir impostos

O Partido Republicano reclama cortes muito significativos na despesa pública para que possa ser viabilizado o ambicioso pacote fiscal de Donald Trump. O roteiro deverá ser apresentado esta quarta-feira, diz a CNN.
Republicanos querem cortar a fundo na despesa para reduzir impostos
Bloomberg
Negócios 18 de julho de 2017 às 13:04

O Partido Republicano prepara-se para apresentar uma proposta que abre caminho a cortes muito substanciais na despesa federal. Ao todo, estarão em causa 200 mil milhões de dólares (173 mil milhões de euros, o equivalente ao PIB português) em programas públicos em curso que, de acordo com a CNN, representam uma reconfiguração dramática no orçamento federal. O objectivo é pagar as também pronunciadas reduções de impostos prometidas por Donald Trump.

Segundo avança a edição online da CNN, as reivindicações preparadas pelos Republicanos representam uma espécie de "lista de desejos" para o orçamento federal de 2018 e acabam por repescar muitas das propostas que o partido já vem apresentando. Entre elas estão por exemplo o fim do Obamacare, o recuo ao nível da regulação financeira e a redução de despesa em programas de protecção social. O plano, ambicioso do ponto de vista orçamental, tem por objectivo permitir pagar a reforma fiscal de Donald Trump.

Embora ainda tenha contornos muito indefinidos, o pacote de medidas apresentado pelo presidente norte-americano precisa de ser neutro do ponto de vista orçamental. É esta aritmética que está a ser burilada, ao mesmo tempo em que os líderes republicanos admitem recorrer a um expediente regulamentar que permite fazer passar a polémica legislação directamente pelo Senado com apenas uma maioria de votos. 

Segundo a CNN, as diferenças entre o secretário de Estado do Tesouro Steve Mnuchin e o porta-voz republicano Paul Ryan ainda não estão ultrapassadas - Mnuchin acha que as descidas de impostos se pagarão a si próprias através da indução de um crescimento virtuoso – e  a proposta de orçamento para 2018 não deverá avançar pormenores quanto à forma de concretização do plano.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 18.07.2017

Tem muito por onde cortar. O excedentarismo idiota e injustificável, até candidamente criminoso por vezes, está em toda a parte. Claro, não tanto como em Portugal ou Grécia... Aqui tem rédea solta.

comentários mais recentes
Ruben 18.07.2017

No dia que alguém ouse dizer o mesmo neste país levantam-se imediatamente os inuteis do bloco e os comunas!
Este paradigma é exemplar! Por cá é só mamar na teta do estado!

Anónimo 18.07.2017

Não acontecem reformas económicas sem despedimentos nem leis reescritas. Todos os países mais desenvolvidos fizeram ou estão a fazer essas reformas. Portugal caiu no imobilismo. A economia mundial está a crescer neste pós-crise. Portugal apanha a boleia, mas ao contrário de países com políticos sérios e visionários, não se prepara para o que vem aí.

Anónimo 18.07.2017

Tem muito por onde cortar. O excedentarismo idiota e injustificável, até candidamente criminoso por vezes, está em toda a parte. Claro, não tanto como em Portugal ou Grécia... Aqui tem rédea solta.

pub
pub
pub
pub