Resgate da troika “não é para a economia portuguesa, é para o Estado”
01 Fevereiro 2013, 12:00 por Bruno Simões | brunosimoes@negocios.pt
9
Enviar por email
Reportar erro
Passos Coelho afirma que é importante voltar aos mercados porque só assim é possível financiar a economia portuguesa. Os 78 mil milhões de euros servirão apenas para financiar o Estado, pagar salários e pensões, justifica.

O primeiro-ministro respondia a uma interpelação do líder do PCP, Jerónimo de Sousa, que criticava a banca e o apoio que o Governo tem atribuído aos bancos. Passos Coelho rejeitou as críticas. “Quando Portugal solicitou 78 mil milhões de euros para a sua economia, para o Estado e para os portugueses, desses 78 mil milhões, 12 mil milhões ficaram destinados à estabilização do sistema financeiro. Tivemos até hoje canalizados 5 mil milhões de euros. Como consegue dizer com seriedade que estamos a favorecer a banca quando injectámos na banca 5 mil milhões em 78 mil? Como quer distorcer as coisas?”, criticou Passos Coelho.

 

“Os 78 mil milhões que o estado pediu emprestado para estes três anos não são para a economia, são para o Estado. Sabe para quê? Para pagar os salários, as pensões, para pagar o défice, é para o Estado”, assegurou Passos Coelho”. O primeiro-ministro justificou assim a incapacidade do Estado de financiar a economia. “O financiamento à economia não é o Estado que dá, nem a troika, são justamente os investidores financeiros. Por isso é tão importante aceder a financiamento em mercado”, sustentou.

 

A situação da banca também preocupa Passos Coelho. “Os bancos portugueses têm hoje, infelizmente, níveis de rendibilidade bastante baixa e esse é um desafio importante que eles próprios devem enfrentar, porque não é o Estado que vai resolver o problema da rendibilidade da banca”, garantiu Passos Coelho. Contudo, “interessa ao Estado que existam instituições bancárias com solidez”, porque “onde existe o mal da banca devem os portugueses ficar preocupados com as suas poupanças”.

9
Enviar por email
Reportar erro
pesquisaPor tags:
alertasPor palavra-chave: