África Reuters: Mugabe já concordou em abandonar o poder

Reuters: Mugabe já concordou em abandonar o poder

A Reuters está a noticiar que Mugabe aceitou a resignação e que fará uma declaração ao país em breve.
Reuters: Mugabe já concordou em abandonar o poder
Reuters
Negócios 19 de novembro de 2017 às 17:02
Robert Mugabe já deverá ter aceitado, com os militares, resignar à presidência do Zimbabué, de acordo com a Reuters.

Em três flashs, a Reuters dá conta que Mugabe fará uma declaração em breve ao país e citando fontes familiares ao processo diz que o actual presidente do Zimbabué aceitou retirar-se do poder onde está há 37 anos. 

Essa fonte, citada pela Reuters, não conseguiu dar pormenores sobre a resignação. A BBC diz que ainda não conseguiu confirmar esta informação.

Este domingo,Mugabe tinha já sido exonerado da liderança do seu partido. O partido no poder no Zimbabué destituiu RobertMugabe como líder da União Nacional Africana do Zimbabué - Frente Patriótica (ZANU-PF), noticiou a cadeia de televisão britânica BBC.

O Comité Central da ZANU-PF, que se reuniu hoje de urgência para analisar a crise político-militar zimbabueana, decidiu também nomear como novo líder o antigo vice-Presidente do Zimbabué Emmerson Mnangagwa, afastado do cargo há duas semanas por Robert Mugabe.

A União Nacional Africana do Zimbabué - Frente Patriótica (Zanu-PF) apresentou Emmerson Mnangagwa como candidato às eleições presidenciais de 2018. 

Citado pela Agência France Presse, o partido avançou que "Emmerson Mnangagwafoi eleito presidente e primeiro secretário do Zanu-FP [...] e designado candidato presidencial às eleições de 2018". 

"Foi adoptada uma resolução para remover o presidente e substitui-lo por Mnangagwa", disse à AFP fonte partidária. 

O afastamento de Mnangagwa desencadeou um conjunto de reacções em cadeia, culminando com a intervenção militar do exército que tomou o controlo do poder e impediu Mugabe, 93 anos, de continuar a manobrar politicamente para que a sua mulher, Grace, o substituísse na Presidência do país.

Grace Mugabe, aliás, foi também expulsa, "para sempre", do mesmo partido, bem como dois dos ministros mais próximos de Robert Mugabe, os da Educação Superior, Jonathan Moyo, e o das Finanças, Ignatius Chombo.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 3 semanas

Parece ter aceitado partir de livre vontade,pena e nao partir de PADIOLA,bandido jeronimo mugabe.Mas a partida dele nao quer dizer que o pais parou com as dores,tudo indica que elas sao menos,mas tudo depende como o pais vai reagir a boa noticia,que Deus os ajudem porque 37 anos de inferno e muito.

General Ciresp Há 3 semanas

BANDIDO,nao seres pisado por um olifante,jeronimo mugabe canhoto.

Saber mais e Alertas
pub