Tecnologias Revolução digital terá "grande impacto" no futuro da economia do mar

Revolução digital terá "grande impacto" no futuro da economia do mar

A revolução digital em curso terá "um grande impacto" na economia do mar, dependendo o desenvolvimento do sector da capacidade de captar os benefícios do digital e de mitigar os riscos da nova realidade, conclui um inquérito hoje divulgado.
Revolução digital terá "grande impacto" no futuro da economia do mar
Reuters
Lusa 13 de dezembro de 2017 às 00:15

Intitulada "A Revolução Digital e a Economia do Mar", a oitava edição do projecto de responsabilidade social LEME - Barómetro PricewaterhouseCoopers (PwC) da Economia do Mar inquiriu 50 gestores de topo e personalidades ligadas à economia do mar em Portugal, 90% dos quais consideraram que "todas as indústrias do mar terão um 'elevado impacto' provocado pela revolução digital".

 

As conclusões do trabalho, a que a agência Lusa teve hoje acesso, apontam as fileiras dos portos, dos transportes marítimos e ainda a acção do Estado no mar como sendo "áreas impactadas pela quase totalidade dos 12 temas inerentes à Revolução Digital".

 

Os temas em questão são a 'análise de dados em massa através de ferramentas informáticas'; 'algoritmos de inteligência artificial que permitem retirar informação útil a partir de dados'; 'serviços de armazenamento e processamento de dados na 'nuvem' (servidores partilhados)'; 'informação integrada em todos os elos da cadeia de valor de uma indústria ou processo' e 'ferramentas de garantia de privacidade, confidencialidade, validade e segurança de dados'.

 

Também considerados foram os temas da 'disponibilização de serviços que permitem executar tarefas através da Internet ou do telemóvel'; 'utilização de sensores que recolhem, enviam, analisam e processam dados'; 'dispositivos colocados em equipamentos que adicionam informação relacionada com o mundo real em contexto'; 'alteração relevante de modelos de negócio provocada por avanços tecnológicos'; 'massificação da oferta costumizada de produtos e serviços através do uso de tecnologia'; e 'serviços preventivos de informação sobre necessidade de manutenção em tempo útil'.

 

Entre estes 12 temas, a análise de dados em massa através de ferramentas informáticas ('big data analytic'), a disponibilização de serviços que permitem executar tarefas através da internet ('Internet of things', como por exemplo ligar uma câmara de vídeo que monitoriza uma aquacultura) e a utilização de sensores que recolhem, enviam, analisam e processam dados ('smart sensors') foram os aspectos da revolução digital que os inquiridos afirmaram que influenciarão o maior número de indústrias do mar.

 

Do inquérito realizado resultou ainda uma chamada de atenção para os riscos que a revolução digital também encerra, designadamente no que diz respeito às vulnerabilidades face a ciberataques.

 

Para o consultor das actividades marítimas da PwC responsável pelo inquérito, fica demonstrado que "os líderes das diferentes indústrias do mar começam a ter a noção que se não abraçarem a revolução digital, aproveitando todos os seus benefícios e construindo bases sólidas de protecção contra ciberataques, a economia do mar será como uma embarcação à deriva num vendaval de transformações".

 

Contudo, considera Miguel Marques, se "o interesse pelos temas da transformação digital aumentou consideravelmente no seio da comunidade marítima portuguesa" e "as acções digitais no terreno" já são uma realidade, o facto é que "o conhecimento dos riscos associados a ciberataques e sua mitigação é ainda incipiente". 




pub