Política Rocha Andrade deixa um novo imposto e uma reforma a meio caminho

Rocha Andrade deixa um novo imposto e uma reforma a meio caminho

O secretário de Estado do Fisco sai sem concluir a revisão dos escalões do IRS, que trará alívio fiscal para algumas famílias. No currículo leva a criação de um novo imposto sobre o património e um perdão fiscal.
Rocha Andrade deixa um novo imposto e uma reforma a meio caminho
Miguel Baltazar
Filomena Lança 10 de julho de 2017 às 21:55

O primeiro secretário de Estado dos Assuntos Fiscais de Mário Centeno sai sem ter concretizado a prometida revisão dos escalões do IRS, que há-de trazer um prometido alívio fiscal para algumas famílias portuguesas. O Governo garante que as negociações com o PCP e com o Bloco de Esquerda – que querem mais do que lhes está a ser apresentado – até estão no bom caminho, mas o que é certo é que, seja qual for a versão final, já não terá a assinatura de Rocha Andrade.

Cerca de 20 meses depois de tomar posse e um ano passado sobre a viagem a Paris para assistir à final do Euro 2016, Fernando Rocha Andrade sai do Governo, envolvido numa polémica que começou no início de 2014 quando a revista Sábado noticiou a viagem e, de imediato, se levantou a possibilidade de haver um conflito de interesses. Até porque a Galp mantinha litígios de milhões de euros com o Fisco.  

No seu currículo, o ex-governante leva um perdão fiscal, a criação de um adicional ao IMI que pôs os proprietários a pagar mais impostos, uma nova taxa sobre as bebidas açucaradas e a redução do IVA na restauração, esta última uma das  bandeiras de António Costa. Foi também ele quem desenhou a eliminação faseada da sobretaxa de IRS, mas as reformas mais substanciais, essas ficam nas mãos do seu sucessor.

No Orçamento do Estado para 2016, o primeiro que orientou, não foi além da eliminação do quociente familiar no IRS, uma herança do Executivo PSD-CDS/PP e reposição do regime anterior, do quociente conjugal.  Ficou para o ano seguinte a reposição dos escalões do IRS, mas acabou por não haver tempo para avançar. Rocha Andrade era um dos membros do Governo mais próximo de António Costa, com quem trabalhou quando o primeiro-ministro foi secretário de Estado, com António Guterres. Costa segurou-o no ano passado e deu o caso por encerrado quando Rocha Andrade disse que iria pagar as viagens à Galp e acabar de vez com as dúvidas. Desta vez, o primeiro-ministro reconheceu que já nada podia fazer e que "não podia negar-lhes [aos secretários de Estado] esse direito" a saírem.

O convite foi natural, dentro da adequação social. (...) Não existe conflito de interesses. Para que não restem dúvidas sobre independência, [Rocha Andrade] contactou a Galp para reembolsar a despesa. Fonte oficial das Finanças
Comunicado de 04/08/2016



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Novo imposto, talvez mais um adicional ao IMI, provavelmente as habitações com sanitário virado para a Lua terem que pagar mais, é que cagar ao Luar é luxo e por isso tem que ser taxado.

Todo o burro come palha Há 1 semana

zurrrem, zurrrem . . . . . . canhotos.

Pedra do Guilhim Há 1 semana

Um novo imposto ? ? ?

E os kumunas e os brochiistas tão caladinhos.

Judas a cagar no deserto Há 1 semana

Um novo imposto ?

Ora, que eu tinha lido e ouvido que a austeridade tinha acabado.

Afinal, é tudo mentira e é tudo farinha do mesmo saco.

Geringonças . . . . .

pub
pub
pub
pub