Europa Rodrigo Rato cobrava 65.000 euros por conferência. E fugia ao Fisco

Rodrigo Rato cobrava 65.000 euros por conferência. E fugia ao Fisco

Depois de sair do FMI, em 2007, Rodrigo Rato, o espanhol que liderou o Fundo e que chegou a ser o número dois de Aznar, dedicou-se a dar conferências. O El Pais escreve esta quinta-feira que em sete anos facturou 14 milhões que não declarou ao Fisco.
Rodrigo Rato cobrava 65.000 euros por conferência. E fugia ao Fisco
Bloomberg
Negócios 09 de fevereiro de 2017 às 10:00

Economista, vice-presidente de Aznar no início do século e director-geral do Fundo Monetário Internacional. A este currículo, onde contava já um processo crime por branqueamento de capitais,  Rodrigo Rato soma agora novas entradas e novamente pelas piores razões. O político espanhol está a ser investigado por fuga aos impostos e é acusado de fraude fiscal pela Agência Tributária espanhola: entre 2004 e 2015 terá lesado o Estado em 6,8 milhões de euros.

 

O El Pais adianta, na sua edição desta quinta-feira, que Rato nunca declarou ao Fisco um montante superior a 14 milhões de euros arrecadado sobretudo com conferências, actividade a que se dedicou depois de sair do FMI. Os números aparecem num relatório do Instituto Nacional de Investigação de Fraude, revelado pelo jornal e que está desde o final de Janeiro na posse de um juiz madrileno e a aguardar uma decisão.

 

O relatório, de 634 páginas, indica que o ex-ministro cobrava, por conferência, qualquer coisa como 65 mil euros. Dos 6,8 milhões de impostos detectados em falta, 5,4 milhões já terão prescrito. Rato nega as acusações e afirma que durante o período em investigação pagou ao Fisco sete milhões de euros.

 

Depois de sair do FMI, em 2007, Rato regressou a Espanha e dedicou-se a dar conferência ao mesmo tempo que trabalhava com a Lazard, Caja Madrid e Bankia. Asseroava ainda a Telefonica, o Santander e a CaixaBank, descreve o El Pais. Ele próprio dizia, segundo declarações da sua secretária à polícia, que dava conferências porque "pagavam muito bem".

 

O relatório agora divulgado pelo El Pais escreve que a facturação era feita através de uma empresa chamada Arada, e que aparecem valores a partir dos 36 mil euros, pagos por empresas publicas, grandes cotadas, associações empresariais e bancos, entre outros.

Os mais generosos terão sido a Repsol e a Caja Madrid, que lhe pagaram 65 mil euros por conferência.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 2 semanas

Este mundo está PODRE!

Estes gajos que veem botar faladura, são os primeiros a NÃO CUMPRIR E NÃO DAR O EXEMPLO....

Tristes e sem vergonha!

O socretino é um aprendiz Há 2 semanas

Ai se o socretino se lembra desta, passa a dar "conferencias" pagas pelo amigo Carlos santinho da silva - - - todas as semanas . . .

Aldrabice Há 2 semanas

Isso daria 2 conferencias por mês durante 10 anos - vê-se mesmo que os subornos são pagos como "conferencias" fantasmas - é como a droga e os casinos: teem que pagar e convidam a ir a um casino onde o dito tem a "sorte" de sair com os milhões , supostamente ganhos "ao jogo"

pub
pub
pub
pub