Justiça Rosário Teixeira pede mais tempo para avançar com acusação contra Sócrates

Rosário Teixeira pede mais tempo para avançar com acusação contra Sócrates

O procurador Rosário Teixeira já entregou um pedido de alargamento do prazo para fechar a acusação contra José Sócrates. Vário órgãos de comunicação falam em mais 60 dias.
Rosário Teixeira pede mais tempo para avançar com acusação contra Sócrates
Sérgio Lemos / Correio da Manhã
Negócios com Lusa 15 de março de 2017 às 18:18
Rosário Teixeira, que tem em mãos o processo Operação Marquês, entregou o pedido de alargamento do prazo para avançar com a acusação contra José Sócrates, avança o jornal i, que diz ainda que a decisão da Procuradora Geral da República, Joana Marques Vidal será conhecida amanhã. 

Rosário Teixeira terá requerido esta quarta-feira, 15 de Março, mais tempo para concluir a acusação contra o ex-primeiro-ministro, José Sócrates. Vários órgãos de comunicação falam em mais 60 dias.

Se se confirmar o adiamento pedido, será a terceira vez que se adia a acusação. 

Ainda esta terça-feira, a defesa de José Sócrates alegou que o prazo dado pela Procuradora-Geral da República para concluir o inquérito "Operação Marquês" terminou à meia-noite de segunda-feira, pelo requereu a notificação do despacho de arquivamento.

Na opinião da defesa do ex-primeiro-ministro, "o inquérito da 'Operação Marquês' terminou", pelo que "a Procuradora-Geral da República tem de notificar os advogados do despacho de arquivamento", considerando que todas as diligências realizadas após segunda-feira "são ilegais".

Sócrates está indiciado por corrupção, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais, num processo que investiga crimes económico-financeiros e que tem 25 arguidos.

 

A "Operação Marquês", conta até ao momento, com 25 arguidos - 19 pessoas e seis empresas, quatro das quais do Grupo Lena.

 

Entre os arguidos estão Armando Vara, ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos e antigo ministro socialista, Carlos Santos Silva, empresário e amigo do ex-primeiro-ministro, Joaquim Barroca, empresário do grupo Lena, João Perna, antigo motorista de Sócrates, Paulo Lalanda de Castro, do grupo Octapharma, Henrique Granadeiro e Zeinal Bava, ex-administradores da PT, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira e os empresários Diogo Gaspar Ferreira e Rui Mão de Ferro e o empresário luso-angolano Hélder Bataglia.


(Notícia actualizada às 18:25 com mais informação)



A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 17.03.2017

O poder politico vai fazer de tudo, inclusive não fornecendo meios à investigação na tentativa de descredibilizar o trabalho do MP. Força, ponham esses artistas todos no xadrez! A impunidade tem de acabar nos crimes de colarinho branco, os portugueses fizeram demasiados sacrifícios para ficar tudo na mesma...esses chicos-espertos, duma vez, tem de perceber, q n estão acima das Leis.

Camponio da beira 16.03.2017

Pela quantidade de noiticas sobre corrupção, chega-se á conclusão que a politica e governação é feita por suspeitos ou arguidos.

Anónimo 16.03.2017

É o Processo de Santa Engrácia. Parecem os putos a brincar aos .. processos. Vergonha!

Rado 15.03.2017

Não gosto de Sócrates mas isto já e falta de vergonha e incompetência ao máximo.

ver mais comentários
pub