Economia Roubini: Saída da Grécia provocará colapso da zona euro

Roubini: Saída da Grécia provocará colapso da zona euro

O economista norte-americano Nuriel Roubini alertou hoje para o colapso da zona euro se a Grécia sair da moeda única, sublinhando que este cenário "sairia mais caro" à Alemanha do que ajudar os parceiros europeus.
Lusa 12 de Junho de 2012 às 10:26
"Quem cortar a corrente aos gregos, provocará o desmoronamento total da zona euro", disse o professor de economia, que se tornou famoso por ter sido um dos que previu a quebra do mercado imobiliário norte-americano e a subsequente crise económica e financeira internacional, a partir de 2007.

Se a Grécia entrar em colapso "haverá uma corrida aos depósitos nos bancos em Portugal na Espanha e na Itália", alertou o ex-conselheiro da administração norte-americana, traçando um cenário que muitos analistas consideram possível, se a aliança da esquerda radical helénica, a Syriza, que pretende denunciar o memorando de entendimento com a 'troika', ganhar as legislativas do próximo domingo.

Perante os riscos de um contágio ainda maior a várias economias da moeda única, Roubini acha aconselhável manter a Grécia no euro, ou pela menos possibilitar-lhe uma saída gradual, ou seja, continuar a ajudar financeiramente Atenas, mesmo se o país voltar à sua antiga moeda, o Dracma.

"Ambas as soluções são mais baratas para os contribuintes alemães do que deixar a zona euro afundar-se", sublinhou Roubini.

Em entrevista conjunta com o professor de economia da Universidade norte-americana de Harvard ao site Spiegel Online, Roubini explicou ainda o que pode acontecer à maior economia europeia se a zona euro implodir.

"O bem-estar alemão depende da união monetária, porque os exportadores alemães têm vantagens com o euro, a zona euro absorve 42 por cento das exportações alemãs, e não interessa à Alemanha ter metade deste mercado em recessão", vincou Roubini.

As exportações da Alemanha para Espanha, Grécia, Itália e Portugal caíram acentuadamente no primeiro trimestre de 2012, segundo dados publicados no princípio deste mês pelo Instituto Federal de Estatística (Destatis).

As vendas alemãs a Itália recuaram 7,6 por cento, à Espanha 7,8 por cento, a Portugal 14 por cento e à Grécia 9,8 por cento, no referido período, em comparação com igual trimestre de 2011, revelou o Destatis.




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Midas 13.06.2012

Qual "corrida aos bancos"... o CAPITAL já fugiu!
Não é para quem QUER... é para quem PODE!

Pelintra do Sul 12.06.2012

Estes anglo-saxónicos querem mesmo que o Euro desapareça para o Dólar reinar sem adversários! Reparem que o gajo não fala da Irlanda. Só fala do Sul da Europa. Coincidência!?

Já ninguém te ouve, imbecil ! 12.06.2012


Cala a boca, palhaço turco/ianque, visto que já perdeste toda e qualquer credibilidade !

racspor 12.06.2012

Este e o Krugman e outros que tais, vivem disto!

ver mais comentários
pub