Política Rui Rio quer explicações de Santana Lopes sobre Santa Casa no sector financeiro

Rui Rio quer explicações de Santana Lopes sobre Santa Casa no sector financeiro

O candidato à liderança do PSD Rui Rui pediu este sábado ao seu adversário, Santana Lopes, que explique “tintim por tintim” a ideia de envolver a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no sector financeiro.
Rui Rio quer explicações de Santana Lopes sobre Santa Casa no sector financeiro
Hugo Monteiro
Lusa 06 de janeiro de 2018 às 20:35

"Não faço ataques pessoais, mas peço explicações ‘tintim por tintim’ daquilo que aconteceu", afirmou, ao discursar este sábado, 6 de Janeiro, à tarde em Viseu, numa sessão com militantes.

Rui Rio lamentou ter-se sabido hoje que, "em plena crise bancária, o então provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (Santana Lopes) escreveu ao Governo disponibilizando-se para pôr dinheiro da Santa Casa da Misericórdia nos bancos para ajudar a limpar as imparidades".


"É algo que vos digo com sinceridade que não posso concordar", frisou.


O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social afirmou, em entrevista à Antena 1, que a "ideia de que a Santa Casa podia ter um papel [no sector financeiro] é uma ideia avançada pelo dr. Santana Lopes".


"A colocação do Montepio nesse leque de hipóteses foi colocada pelo Governo, não pelo dr. Santana Lopes", acrescentou ainda o governante, precisando que a possibilidade de a Santa Casa se envolver na área financeira surgiu "há quase dois anos, numa altura que se vivia o momento mais difícil" no sector.


Rui Rio disse ser "muito crítico da forma como a banca foi gerida em Portugal durante anos e anos, com erros graves, os maiores dos quais no grupo Espírito Santo".


"E se eu sou crítico à forma como tivemos de usar dinheiro público dos nossos impostos para tapar erros cometidos na banca, menos posso aceitar que aquela parte do dinheiro público que é destinada ao combate à pobreza, a fazer misericórdia, esteja disponível para ir meter no sistema bancário", acrescentou.


Na sua opinião, "no sistema bancário, a diferença entre dizer que se quer meter no Novo Banco ou que se quer meter no Montepio" não é muita.


"O problema do Montepio, as imparidades do Montepio, não decorrem de qualquer acção social, decorrem na mesma de crédito concedido a quem não se deveria ter concedido crédito, a começar pelo próprio grupo Espírito Santo", afirmou.


Em declarações aos jornalistas, Rui Rio disse que Santana Lopes, "em vez de procurar denegrir o adversário" e até o próprio cargo a que se está a candidatar, deve é dar explicações sobre este assunto.




pub