Política Rui Moreira garante ser candidato ao Porto com ou sem mudança à lei eleitoral

Rui Moreira garante ser candidato ao Porto com ou sem mudança à lei eleitoral

O presidente da Câmara Municipal do Porto garantiu esta terça-feira que vai ser candidato às eleições autárquicas do próximo ano quer haja alterações à lei eleitoral ou não, acusando os partidos de quererem eles "o fato à medida".
Rui Moreira garante ser candidato ao Porto com ou sem mudança à lei eleitoral
Lusa 18 de Outubro de 2016 às 18:47

Em resposta às declarações proferidas pelo presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, na segunda-feira, que se opôs à alteração da lei eleitoral dos órgãos das autarquias locais proposta pelo autarca do Porto, Rui Moreira disse ter ouvido o antigo primeiro-ministro "com muita surpresa, uma pequena deselegância e alguma acrimónia".

 

"O fato à medida é o fato dos partidos. Os partidos, pelos vistos, é que querem o fato à medida. Aquilo que pretendo apenas é poder envergar o mesmo fato que os partidos construíram para si. E portanto não compreendo o argumento e muito menos que se diga que é apenas para a cidade do Porto", afirmou Rui Moreira aos jornalistas à margem da apresentação da exposição "Movimento Estudantil na Universidade do Porto 1968-1974", na escadaria direita da Reitoria daquela instituição.

 

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, mostrou-se, na segunda-feira, contra alterações à lei eleitoral das autarquias locais por as eleições se estarem a aproximar e por ser desnecessário fazer "fatos à medida", numa referência directa a Rui Moreira.

 

De acordo com Moreira, que em Setembro escreveu aos partidos na Assembleia da República para que alterassem um aspecto da lei eleitoral autárquica, o que é pretendido é "um estatuto equiparado ao dos partidos" e que, "se os partidos entendem que querem ganhar isto ou tentar ganhar isto na secretaria, é uma questão que tem que [se] perguntar aos partidos".

 

Rui Moreira declarou que o entendimento feito pelos tribunais face às candidaturas independentes é o de que no momento de recolha de assinaturas é necessário apresentar a lista total de candidatos, incluindo suplentes, sendo as assinaturas declaradas inválidas no caso de morte ou indisponibilidade de um dos candidatos.

 

"Isto é uma imponderabilidade que não nos parece natural. A nós parece-nos natural podermos recolher assinaturas em termos do movimento ou do seu cabeça de lista, que é quem as pessoas interpretam, e a seguir, no mesmo tempo dos partidos, apresentarmos os nossos candidatos. E as pessoas são livres de votar em nós ou não", afirmou Rui Moreira.

 

Questionado sobre os apoios já declarados pelo PS e pelo CDS, o presidente da Câmara do Porto mostrou-se agradado e lembrou que "quem vota são as pessoas que normalmente votam nos partidos", antes de acrescentar saber "muito bem que entre os militantes e os tradicionais votantes do PSD houve muita gente" que votou na sua candidatura, o que significa que "os partidos não são donos dos votos".

 

"Estou confiante de que vamos apresentar uma candidatura séria, temos feito um trabalho na cidade que os cidadãos apreciam e vamos ter eleições, é óptimo ter eleições, é óptimo haver outros candidatos, nessa matéria tenho enorme tranquilidade", disse Rui Moreira.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Raquel Alves Dos Santos Há 3 semanas

Com a sua politica caótica nas regras absurdas de trânsito mais a sua vaidade e arrogância o meu voto não o torna a ter !

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Este não é o independente do PS?

Rogerio Varela Há 3 semanas

Não temos sorte. Só nos saem "duques", e cenas tristes...

Raquel Alves Dos Santos Há 3 semanas

Com a sua politica caótica nas regras absurdas de trânsito mais a sua vaidade e arrogância o meu voto não o torna a ter !

Manuela Amaral Há 3 semanas

Palavra de honra que gostaria de saber o que é que ele faria na vida se não fosse eleito. Na minha opinião a "política" e os "apoios" são uma grande agência de empregos.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub