Política Rússia acusa EUA de política perigosa e de vistas curtas após promulgação de sanções

Rússia acusa EUA de política perigosa e de vistas curtas após promulgação de sanções

O ministro russo dos Negócios Estrangeiros acusou Washington de realizar uma política perigosa e míope, após a promulgação pelo presidente Donald Trump de novas sanções contra a Rússia.
Rússia acusa EUA de política perigosa e de vistas curtas após promulgação de sanções
Reuters
Lusa 02 de agosto de 2017 às 22:02

"É uma linha política de vistas curtas e até mesmo perigosa que se arrisca a minar a estabilidade [em todo o mundo]", afirmou o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergueï Lavrov, num comunicado divulgado esta quarta-feira e citado pela agência France Presse.

 

O ministro acrescentou que Moscovo já demonstrou que não deixará sem resposta "actos hostis", reservando o "direito de outras medidas de represália".

 

O responsável pela diplomacia russa apelou a Washington para entender que "nenhuma ameaça nem tentativa de pressão forçará a Rússia a mudar a sua política ou a sacrificar" os seus interesses.

 

De acordo com o comunicado, a Rússia está "aberta à cooperação com os Estados Unidos nas áreas que considera úteis" para a segurança internacional, nomeadamente no que respeita a conflitos regionais.

 

"Mas uma cooperação frutuosa só é possível se os políticos em Washington pararem de olhar para o mundo através do prisma (...) da 'exclusividade norte-americana", acrescenta o comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

 

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, promulgou hoje, apesar das suas reservas, as novas sanções económicas contra a Rússia, aprovadas pelo Congresso para punir Moscovo pela ingerência nas eleições presidenciais norte-americanas, anunciou a Casa Branca.

 

As sanções, que surgem também em consequência da anexação da Crimeia e devido a ingerência russa na Ucrânia, incidem nomeadamente sobre o sector energético russo.

 

Além de uma resposta imediata das autoridades russas, as sanções provocaram igualmente críticas no seio da União Europeia, que teme pelo seu abastecimento de gás e condena uma acção unilateral.

 

O diploma inclui ainda sanções contra o Irão e a Coreia do Norte.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub