Política Rússia: Sanções dos EUA tentam impedir relações com próximo residente da Casa Branca

Rússia: Sanções dos EUA tentam impedir relações com próximo residente da Casa Branca

A Rússia disse que as sanções impostas pelos Estados Unidos por alegada ingerência nas eleições presidenciais norte-americanas tentam impedir o restabelecimento das relações bilaterais com a próxima Casa Branca, que será liderada por Donald Trump.
Rússia: Sanções dos EUA tentam impedir relações com próximo residente da Casa Branca
Negócios 29 de Dezembro de 2016 às 21:42

"Aquelas decisões unilaterais têm como objectivo prejudicar as relações e dificultar o seu restabelecimento no futuro", disse Konstantin Dolgov, representante do Kremlin para os Direitos Humanos, Democracia e Estado de Direito.

 

O porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov, disse que o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, reserva-se ao direito de responder às decisões norte-americanas com medidas de igual magnitude.

 

O Presidente norte-americano anunciou hoje sanções contra a Rússia após a sua ingerência nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, com a expulsão de 35 agentes dos serviços secretos e o encerramento de delegações russas no seu território.

 

"Estas acções seguem-se a repetidos avisos privados e públicos feitos ao Governo russo e são uma resposta necessária e apropriada a esforços para lesar interesses norte-americanos, em violação das normas de comportamento internacional estabelecidas", precisou.

 

Entre as medidas anunciadas, há sanções contra as agências de serviços de informações russas FSB e GRU; a classificação de 35 agentes russos como 'persona non grata', que têm agora 72 horas para abandonar o país; e o encerramento de dois edifícios em Nova Iorque e Maryland que os Estados Unidos dizem serem utilizadas para "objectivos relacionados com os serviços secretos".

 

Os serviços secretos norte-americanos concluíram que o acesso a e-mails do Partido Democrata e da campanha de Hillary e a respetiva divulgação foram levados a cabo para pôr Trump - um 'outsider' da política que elogiou Putin - na Sala Oval.

 

As sanções não se ficam por aqui, prosseguiu Obama, advertindo que os Estados Unidos tomarão outras medidas "no momento que escolherem", entre as quais "operações que não serão publicamente divulgadas".

 

A porta-voz do mMnistério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, reagiu já ao anúncio das sanções, afirmando que Moscovo irá responder a quaisquer "medidas hostis" de Washington.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub