Mundo Rússia e China vetam resolução da ONU sobre cessar-fogo em Aleppo

Rússia e China vetam resolução da ONU sobre cessar-fogo em Aleppo

A Rússia e a China vetaram a resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidos que determina a um cessar-fogo de sete dias na cidade síria de Aleppo, que tem sido alvo de violentos conflitos.
Rússia e China vetam resolução da ONU sobre cessar-fogo em Aleppo
Lusa 05 de dezembro de 2016 às 20:11

O texto, apresentado por Espanha, pelo Egipto e pela Nova Zelândia, teve 11 votos a favor, uma abstenção (Angola) e três contra, incluindo o da Rússia e o da China, que têm poder de veto, o que trava a iniciativa.

 

Moscovo tentou até ao último momento adiar a votação, alegando problemas de procedimento e defendendo a necessidade de esperar pelo resultado das negociações entre a Rússia e os Estados Unidos sobre a retirada dos rebeldes da zona Leste de Aleppo.

 

O embaixador russo das Nações Unidas, Vitaly Churkin, considerou que submeter hoje esta resolução à votação "violou" as regras do Conselho de Segurança, considerando que não se cumpriram os prazos necessários, uma acusação que outras delegações rejeitaram.

 

Segundo Churkin, atrasar a decisão teria dado tempo para conhecer os resultados das negociações que estão agendadas para terça-feira, em Genebra, entre especialistas russos e norte-americanos.

 

O embaixador russo garantiu que este processo abre a possibilidade de "resolver de forma efectiva" a situação naquela cidade síria e acusou as potências ocidentais de pressionarem a votação desta resolução para o quanto antes.

 

A delegação norte-americana, por seu lado, considerou que os argumentos de Moscovo não são mais do que um "álibi inventado" e disse que as duas partes não estão próximas de alcançar um acordo em relação a Aleppo, apesar do que adianta a Rússia.

 

A resolução agora vetada foi negociada durante semanas e tinha como objectivo estabelecer uma interrupção imediata dos combates por um período inicial de sete dias, para permitir a entrada de ajuda humanitária nas zonas sitiadas pelas forças governamentais.

 

As forças do líder sírio, Bashar al-Assad, e aliados continuam a avançar sobre as zonas de Aleppo controladas pelos rebeldes, depois de terem recuperado o poder, até agora, em cerca de 60% da cidade, de acordo com a organização não-governamental Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), que tem um rede alargada de informadores no terreno.

 

Desde o início, a 15 de Novembro, da última ofensiva do regime sírio na zona oriental de Alepo, pelo menos 311 civis foram mortos, indicou o OSDH, com sede em Londres. Ao mesmo tempo, os ataques rebeldes contra a zona ocidental da cidade, nas mãos do regime, causaram pelo menos 70 mortos.

 

A Rússia, aliada de Al-Assad, intervém na guerra desde Setembro de 2015 através de ataques aéreos.

 

A guerra na Síria, desencadeada em Março de 2001 devido à brutal repressão de manifestações a exigir reformas, causou mais de 300.000 mortos.

 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub