Mundo Rússia pede “cabeça fria”. China pede à Coreia que pare. EUA pedem sanções mais duras

Rússia pede “cabeça fria”. China pede à Coreia que pare. EUA pedem sanções mais duras

Os EUA defendem que é preciso impor sanções históricas à Coreia do Norte. Já a Rússia e a China apelam ao diálogo.
Rússia pede “cabeça fria”. China pede à Coreia que pare. EUA pedem sanções mais duras
Reuters
Sara Antunes 04 de setembro de 2017 às 17:06

O Conselho de Segurança da ONU reuniu-se esta segunda-feira, a pedido dos Estados Unidos, Japão, Reino Unido, França e Coreia do Sul, por causa dos testes nucleares da Coreia do Norte, que diz ter detonado, com sucesso, uma bomba de hidrogénio mais avançada. 

A abordagem dos vários países foram distintas. Rússia e China defendem que só através do diálogo será possível chegar a bom porto. Já os EUA e a Coreia do Sul defendem mais sanções, com os EUA a defenderem que sejam votadas novas sanções já na próxima segunda-feira. 


O embaixador da Rússia na ONU, Vassily Nebenzia, defendeu que é "urgente manter a cabeça fria e refrear qualquer acção que possa escalar as tensões" entre os envolvidos. "Um acordo abrangente sobre o nuclear e outros assuntos relacionados com a península coreana só pode ser alcançado através dos canais diplomáticos, incluindo através de um aumento dos esforços de mediação do secretário-geral das Nações Unidas", defendeu o representante russo.

 

Já a China apelou à Coreia do Norte "para parar com acções que são erradas". "Apelamos veementemente [para que a Coreia do Norte] pare de tomar acções que são erradas, que deterioram a situação e que não estão em linha com os seus próprios interesses e que regresse verdadeiramente ao caminho de resolução da situação através do diálogo", afirmou o embaixador da China na ONU, Liu Jieyi.

 

Já os EUA defendem que chegou o momento de impor "as sanções mais duras possíveis" à Coreia do Norte, depois do país ter encetado o sexto, e maior, teste nuclear. "Basta", defendeu Nikki Haley, perante o conselho de segurança da ONU. A representante dos EUA afirmou que Kim Jong-un está a "pedir uma guerra".

 

"Apesar dos nossos esforços, o programa nuclear da Coreia do Norte está mais avançado e mais perigoso do que nunca", salientou a responsável americana. "Guerra não é algo que os EUA queiram. Não queremos isso agora. Mas a paciência do nosso país não é ilimitada", acrescentou. Dito isto, a responsável adiantou que os EUA estão a preparar um projecto de resolução de novas sanções e que o objectivo é que este seja votado já na próxima segunda-feira, 11 de Setembro.

Paralelamente, os presidentes da Rússia e da Coreia do Sul, Vladimir Putin e Moon Jae-in respectivamente, realizaram uma chamada telefónica onde falaram sobre a situação da região. Putin, apesar de condenar a actuação da Coreia do Norte, reiterou que a situação só poderá ser resolvida por via diplomática.

 

Kremlin defende que o último teste nuclear realizado por Pyongyang cria sérias ameaças à paz e à segurança da região.




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Legru 04.09.2017

Existem comportamentos de difícil compreensão e esta será uma situação que demonstra isso mesmo.
Existe um doido que de diverte a lançar misseis, como se de um qualquer jogo de playstation se tratasse. Acontece que esses misseis até já levam ogivas nucleares capazes de provocarem catástrofes inimagináveis.
E o que fazem as potências mundiais? - A China e Rússia entendem que através do diálogo se resolverá o problema. - Qual diálogo e com quem? - Com o jogador louco da playstation real?
Será difícil que todos, mas todos, os países do mundo, decretem simplesmente um boicote total a este miserável país, de forma a que lá não cheguem produtos que lhes permitam fazer perigar o mundo?
Se este país não tivesse fornecedores de tecnologia e dos produtos necessários, não teria chegado a onde chegou. - Que espera o mundo, dito civilizado, para impedir que, neste desgraçado país, nada entre ou saia sem ser controlado?
Ou será que estão à espera da catástrofe final?

comentários mais recentes
ACORDEM ! OS TEMPOS ACTUAIS SÃO OUTROS, MEUS SRS. 05.09.2017

Tenho respeito por quem arriscou a sua vida e a segurança das próprias famílias, lutando contra o odioso regime do ESTADO NOVO.
Todos sabemos, porém, que são esses lutadores, que é a actual linha dura no PCP, que obriga ao apoio de regimes antidemocráticos, como a COREIA DO NORTE e a VENEZUELA.

A CHINA TEM DE ASSUMIR AS CULPAS DO QUE SE PASSA 05.09.2017

A afirmação do criminoso regime da COREIA DO NORTE de que os lançamentos dos mísseis, que tem levado a cabo, assim como a explosão da bomba de hidrogénio, têm por base a AUTODEFESA só pode dar para rir.
A intenção - BEM CLARA - é lançar o mundo numa GUERRA NUCLEAR, DE QUE NÃO HAVERÁ QQ VENCEDORES.

A CHINA É QUEM TEM DE "DESCALÇAR ESTA BOTA" 05.09.2017

A CHINA é a principal culpada do ponto sem retorno, a que chegou o poderio nuclear e a agressividade da COREIA DO NORTE.
Os camiões, que vemos nos desfiles militares com os mísseis em cima, foram fornecidos à COREIA DO NORTE pela CHINA.

invicta 04.09.2017

Será que o gordo está interessado em guerra? É ele imortal? Que garantias teria ele, havendo guerra, que sairia ileso? Não estará através destas atitudes desafiadoras, a testar o seu material para se por ao nível dos que já o tem, afim de se defender-se de possíveis ataques e perpetuar-se no poder?

ver mais comentários
pub