Emprego Salário mínimo cresce mais em Espanha do que em Portugal

Salário mínimo cresce mais em Espanha do que em Portugal

Apesar do aumento acentuado do salário mínimo em Portugal nos últimos anos, o seu ritmo de crescimento continua abaixo do espanhol. No país vizinho, o vencimento mínimo deverá crescer 20% em três anos. Mas só se a economia ajudar.
Salário mínimo cresce mais em Espanha do que em Portugal
Manuel Bento/Cofina
Manuel Esteves 26 de dezembro de 2017 às 19:28
O aumento do salário mínimo é uma das medidas mais destacadas pelo Governo socialista e pelos seus parceiros no Parlamento: entre 2016, 2017 e 2018, a remuneração mínima legal aumentou mais de 5% ao ano, atingindo uma valorização acumulada de 15%. O objectivo é chegar aos 600 euros no final da legislatura, perfazendo um aumento global de 19%. Se é verdade que esta valorização é muito contrastante com a evolução registada na legislatura anterior - em que o salário mínimo aumentou 4% em quatro anos -, quando a comparação se faz com o país do lado, os números portugueses impressionam muito menos.

O salário mínimo português está hoje mais longe do homólogo espanhol do que estava, por exemplo, em 2016, representando no próximo ano 78% do valor mínimo de referência espanhol. Os 580 euros que serão devidos às largas centenas de trabalhadores portugueses com a remuneração mínima elevam-se a 736 euros em Espanha (também pago em 14 meses). E se os aumentos previstos para os dois países em 2019 se se confirmarem, a diferença entre ordenados mínimos vai dilatar-se ainda mais, ainda que de forma ligeira. 

Em Portugal, a remuneração mínima aumentou 14,9% entre 2016 e 2018, ligeiramente acima do que aconteceu em Espanha, onde o crescimento foi de 13,5%. Mas se olharmos apenas para 2017 e 2018, o aumento é superior em Espanha: de 12,3% contra 9,4% em Portugal. 

Em 2019, quando por cá o salário mínimo chegar aos 600 euros (em termos brutos, antes de retirar o desconto de 11% do trabalhador para a Segurança Social), em Espanha já estará nos 773 euros; e em 2020 este último escalará para os 850 euros.

O calendário de evolução do salário mínimo em Espanha ficou formalmente fechado esta terça-feira, com Mariano Rajoy a aparecer na fotografia com as principais confederações patronais e sindicais.

Crescimento e emprego condicional salário

A fórmula cozinhada pelo governo de Rajoy condiciona, contudo, a subida do salário mínimo a dois indicadores-chave: o crescimento e o emprego. Para que as metas fixadas com os parceiros sociais se concretizem, será preciso que o PIB espanhol avance pelo menos a 2,5% ao ano, e que se criem no mínimo 450 mil empregos. Caso as metas não sejam alcançadas, serão abertas novas rondas negociais.

Mariano Rajoy, citado pelo jornal El País, mostrou-se convencido de que estes "são limites muito prudentes" e confiante de que o salário mínimo possa crescer ao ritmo planeado. Ainda assim, o El País recorda os riscos. É que, se é verdade que este ano a economia espanhola criou 600 mil empregos (bem acima da meta necessária para o futuro), também convém não esquecer que as previsões de crescimento de instituições como o Banco de Espanha, Comissão Europeia e FMI rondam os 2,5% ou menos por ano - e poderão ser revistas em baixa caso a instabilidade na Catalunha se prolongue.

Em Portugal, os patrões também vêm defendendo um sistema de indexação do salário mínimo, mas em termos diferentes da metodologia adoptada pelos espanhóis. Para os empresários lusos, o salário mínimo deve variar em cada ano em função da inflação, do crescimento da economia e da produtividade do trabalho.

Ao contrário do que aconteceu em Espanha, o governo português não conseguiu chegar a acordo com as confederações patronais. Os patrões colocaram três condições em cima da mesa: manter inalterada a legislação laboral; eliminar o pagamento por conta das empresas; e reduzir os descontos para o fundo de compensação do trabalho.



A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 26.12.2017

Em Portugal os governos das esquerdas podem decretar o enriquecimento por via da extorsão, da pilhagem e da burla Às gerações futuras, mas não podem decretar a criação de riqueza. Portugal, graças à legislação, às mentalidades reinantes e aos sindicatos está completamente out no processo de criação de valor. "Siemens Gamesa Renewable Energy SA (SGRE.MC) said Thursday that it may cut 272 jobs in Spain as part of its restructuring measures. The company has begun consultation with union representatives as it aims to strengthen the company's market positioning" https://www.marketwatch.com/story/siemens-gamesa-may-cut-jobs-in-spain-in-revamp-2017-11-23

comentários mais recentes
Anónimo 29.12.2017

Pertinaz...

O salário aumentou graças à Esquerda...na altura da direita radical neo liberal de Passos Tecnoreformado era muito mais baixo

Não se faça demagogia 27.12.2017

Não se faça demagogia, nem se queira comparar o PIB espanhol com o português.
É quase uma formiga, ao pé de um elefante ...
Logo, faz todo o sentido que o Ordenado Mínimo seja superior em Espanha.

pertinaz 27.12.2017

A RAZÃO É SIMPLES...

EM PORTUGAL SOMOS DESGOVERNADOS PELA ESCUMALHA DE ESQUERDA...!!!

Anónimo 27.12.2017

Portugal com a partidarite obtusa, impostómetro,mecanizaçaao e robotização inadequada será sempre pobre.A instabilidade por ex na Auto Europa vai levar á sua extinção a médio prazo e por aí adiante.Falta visão para obter expansão produtiva e acolher empresas internacionais.O saque é continuo o resul

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub