Economia Salários dos novos empregos sobem 4,5%
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Salários dos novos empregos sobem 4,5%

Quatro em cada dez novos contratados recebe o salário mínimo. Mas para quem recebe mais do que o mínimo, a subida também foi expressiva: 5,5%, de acordo com o relatório que o Governo discutiu esta quinta-feira com os parceiros sociais.
Salários dos novos empregos sobem 4,5%
Reuters

As empresas que contrataram no primeiro trimestre do ano ofereceram as novos trabalhadores melhores salários. De acordo com um estudo do Governo, as remunerações-base das contratações do primeiro trimestre aumentaram,

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

É fruto de uma maior flexibilização do mercado e das regras laborais. A subida podia ser ainda mais pronunciada se essas reformas tivessem sido completadas na íntegra e aprofundadas.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Alguém gostaria de ter que ficar colado como cliente ao mesmo banco, à mesma operadora de telecomunicações, ao mesmo fornecedor de energia, ao mesmo cabeleireiro, ao mesmo supermercado ou ao mesmo concessionário automóvel durante a vida toda ou mesmo por uma série de anos? Quem presta serviço não pode exigir períodos de fidelização extensos pois isso vai obrigar a que o pagador requerente do serviço não possa mudar para tecnologias mais avançadas, propostas mais adequadas às suas necessidades e soluções mais económicas oferecidas pelo mercado concorrencial. Os consumidores, os accionistas e os contribuintes percebem facilmente todas as implicações relacionadas com estes actos. Quando é que os sindicalistas atingirão o mesmo estado de discernimento e honestidade intelectual e deixarão que o mercado tendencialmente aberto, livre e concorrencial possa funcionar de modo a desbloquear de uma vez por todas toda a criação de valor que a economia portuguesa pode efectivamente alcançar?

Anónimo Há 3 semanas

A competitividade é desenvolver a economia através da criação de condições para que o mercado laboral seja o mais flexível possível e o mercado de capitais seja o mais forte e dinâmico que se conseguir, promovendo assim todas as condições para gerar, atrair e fixar o melhor e mais adequado talento e capital disponíveis nos mercados internos e externos de factores a cada momento. O lixo é tudo aquilo que se opõe a esta lógica e não reconhece a sua importância para que se possam atingir níveis de prosperidade, equidade e sustentabilidade elevados na economia.

Anónimo Há 3 semanas

É fruto de uma maior flexibilização do mercado e das regras laborais. A subida podia ser ainda mais pronunciada se essas reformas tivessem sido completadas na íntegra e aprofundadas.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub