Função Pública Salários reais do Estado caíram 13% nos últimos oito anos
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Salários reais do Estado caíram 13% nos últimos oito anos

O Ministério das Finanças recebe esta sexta-feira os sindicatos da Função Pública para discutir o Orçamento do Estado para 2018, em particular o descongelamento das carreiras. Nos últimos oito anos, os salários desvalorizaram 13%, sem considerar o efeito das progressões e o aumento do IRS.
Salários reais do Estado caíram 13% nos últimos oito anos
Miguel Baltazar/Negócios
Manuel Esteves 07 de setembro de 2017 às 22:50

Os salários brutos dos funcionários públicos – antes de impostos e descontos para a saúde e reforma – valem hoje menos cerca de 10% do que há oito anos. Durante este período, os trabalhadores das

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião24
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 08.09.2017

O Portugal de 1974, era de aquém e além mar, tinha no mínimo 25 milhões de habitantes, 100 mil homens em armas e, não dispondo de qualquer serviço informático ( a ter em conta o que para aí se propala, eram na maioria ignorantes) geria-se com 1/3 dos actuais servidores públicos. Era um País dos mais ricos do mundo. Hoje, com 10/12 milhões, só de aquém mar, moderníssimo serviço informático, (muito mais culto) simbolicamente com alguns homens em armas, tem 3 vezes mais servidores e, é um dos países mais endividados do mundo. Está a custar a este povo, refazer a história dos últimos 43 anos e, ser justo!!!

comentários mais recentes
Anónimo 08.09.2017

Ó anónimo que responde ao anónimo Portugal 1974. Em 1974, Salazar já tinha deixado de governar, 6 anos antes. Portugal era (com os tais "analfabetos") dos países, cuja economia, mais crescia no Mundo. Como nesse ano já tinha 36 anos de idade, descendente de uma família bem humilde, mas de trabalho, posso afirmar, nunca me ter apercebido de ter sido escravizado, bem como qualquer dos meus familiares. Para tua informação, nunca fui Salazarista, reconhecendo (dada a cultura que me foi possível adquirir) entender que, talvez essa personagem, tenha sido obrigado ao percurso conhecido, devido à miséria que herdou, dos "democratas" que o antecederam em 1928. Ora como em 1974 o País já não era de Salazar e sim, de quem tentava as reformas de que carecia, teria sido aconselhável evitar o assalto de que foi vítima!!!

AJMNunesdaSilva 08.09.2017

As pensões caíram ainda mais porque só as muito baixas tiveram em 2009 aumento igual ao dos trabalhadores (Portaria n.º 1553-D/2008 de 31 Dez).

Anónimo 08.09.2017

Ó Anónimo Portugal de 1974, por mais k queiras regressar à DITADURA, NUNCA vai acontecer. Isso é passado, podem esquecer que o povo Português nunca mais vai viver como escravos de vocês. Tens de ultrapassar essa saudade de Salazar e seguir em frente..Já agora, Portugal NUNCA foi dos países + ricos.

Anónimo 08.09.2017

Caro anónimo que respondeu aos 100%. Numa empresa privada tinham MESMO reduzido 100% e ficavam a ZERO. Uma empresa que tenha a mesma situação financeira do Estado (falida) fecha as portas e os empregados vão para o olho da rua.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub