Política Sampaio afirma-se um homem "inquieto" e "preocupado" com o futuro de Portugal

Sampaio afirma-se um homem "inquieto" e "preocupado" com o futuro de Portugal

O antigo Presidente da República Jorge Sampaio afirmou esta sexta-feira que é "um homem inquieto" e "preocupado" com o futuro de Portugal numa conjuntura de "desordem" internacional, num discurso em que defendeu a necessidade de reforçar e reformar o Estado.
Sampaio afirma-se um homem "inquieto" e "preocupado" com o futuro de Portugal
David Martins
Lusa 07 de abril de 2017 às 21:45

Jorge Sampaio falava na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, na sessão de encerramento da apresentação do segundo volume da sua biografia. Um volume dedicado sobretudo ao período em que exerceu as funções de Presidente da República (1996/2006), da autoria do jornalista José Pedro Castanheira.

 

Perante uma plateia cheia e tendo a escutá-lo o primeiro-ministro, António Costa, e personalidades como o fundador do PPD/PSD Francisco Pinto Balsemão e o dirigente histórico comunista Domingos Abrantes, Jorge Sampaio definiu-se como "um homem inquieto".

 

"Quando olho para trás, para a minha longa vida pública, o que emerge não são feitos passados, mas a preocupação com o futuro. Sempre me disseram que sou um homem preocupado. Assumo que sou um homem inquieto", declarou o antigo líder socialista no seu discurso.

 

Aliás, segundo o próprio Sampaio, a pintora Paula Rego, no retrato oficial que lhe fez após sair do Palácio de Belém, "percebeu isso melhor do que ninguém". "O futuro do país preocupa-me genuinamente. No meio da desordem mundial em que vivemos é mais do que nunca necessário reforçar o Estado, tornando-o mais forte e mais eficaz na defesa dos cidadãos e do interesse nacional. Para isso, temos de ter a coragem de prosseguir no caminho das reformas e da melhoria dos serviços públicos", defendeu.

 

Ou seja, segundo Sampaio, é preciso "restaurar o orgulho de servir o Estado e contribuir para o bem público", advogando, depois "uma imperiosa necessidade de defender de forma intransigente a separação de poderes, incluindo o quatro poder" [o da comunicação social].

 

O antigo Presidente da República defendeu ainda a exigência de rigor no financiamento dos partidos e no exercício de cargos políticos, assim como a necessidade de uma reflexão sobre "os contornos da vida democrática". "Precisamos de um sobressalto cívico. Os cidadãos têm de ser mobilizados", acrescentou Jorge Sampaio, no final de um de uma sessão que durou duas horas e meia.




A sua opinião20
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 08.04.2017

De quem sera' a culpa? do Salazar, ou da revolucao comunista de abril de 74 ?

comentários mais recentes
?? 09.04.2017

Tragam valium

Anónimo 08.04.2017

Historial deste "xuxalista": Desaparecimento/morte de 59 pessoas, queda da ponte; pedofilia; ok ataque Iraque; ladrão44; défice ...

Ó geringonceiro de meia tigela 08.04.2017

NÃO PASSAS DE UM DITADORZINHO DE PACOTILHA, TÍPICO DA ESCUMALHA QUE DESGOVERNA ESTE PAÍS... SE NÃO ESTÁS HABITUADO A DIFERENÇAS DE OPINIÃO EMIGRA PARA A RÚSSIA...!!!

SALAZAR 08.04.2017

GRANDE HIPÓCRITA. FORAM OS CRIMINOSOS DO PS, PSD E CDS QUE LEVARAM O PAÍS A ESTE PONTO. LADRÕES, CORRUPTOS E TRAIDORES QUE DEVERIAM ESTAR PRESOS... AGORA QUEREM TODOS LIMPAR A SUA IMAGEM... VAI DAR BANHO AO CÃO.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub