Saúde Sanofi compra biotecnológica norte-americana por mais de 11 mil milhões de dólares

Sanofi compra biotecnológica norte-americana por mais de 11 mil milhões de dólares

A farmacêutica francesa chegou a acordo para adquirir a Bioverativ, empresa biotecnológica norte-americana que desenvolveu medicamentos para doenças do sangue, como a hemofilia. A Sanofi vai pagar 11,6 mil milhões de dólares no âmbito desta operação.
Sanofi compra biotecnológica norte-americana por mais de 11 mil milhões de dólares
Ana Laranjeiro 22 de janeiro de 2018 às 07:59

A francesa Sanofi decidiu acrescentar ao seu portefólio um conjunto de terapêuticas para doenças associadas ao sangue. Para isso, comprou a biotecnológica norte-americana Bioverativ, que está focada na descoberta, desenvolvimento e comercialização de terapêuticas para o tratamento da hemofilia e outras doenças do sangue.

A farmacêutica francesa vai assim pagar 11,6 mil milhões de dólares – cerca de 9,4 mil milhões de euros no câmbio actual – de acordo com a Bloomberg, que cita o comunicado das empresas. Esta operação é a maior para a Sanofi em sete anos.

No ano passado, a Bioverativ separou-se do gigante da biotecnologia Biogen, que opera na área do desenvolvimento de terapêuticas para doenças neurológicas.

A aquisição da companhia americana decorre numa altura, segundo a Bloomberg, em que a Sanofi está a tentar entrar no mercado com novos produtos que compensem a queda do seu produto que regista melhores vendas: a insulina Lantus. A quebra na comercialização deste produto deve-se nomeadamente à concorrência que produtos semelhantes mas mais baratos fazem.

Os dados da Bioverativ, citados pela mesma fonte, indicam que as receitas da empresa subiram 27% no terceiro trimestre. Os dois principais medicamentos comercializados pela marca, o Eloctate e o Alprolix, são usados no tratamento dos dois tipos mais comuns de hemofilia. Além disso, estes dois medicamentos permitiram um encaixe de 847 milhões de dólares em vendas em 2016.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub