Segurança Social "Santa Casa não pode mudar de prioridades apenas porque muda o provedor"

"Santa Casa não pode mudar de prioridades apenas porque muda o provedor"

Para o novo provedor, "é indispensável que a Santa Casa aprofunde a sua presença nas suas grandes áreas nucleares que são a saúde, a acção social e a cultura" e cumprir este objectivo significa "desenvolver o património que tem de credibilidade nos serviços que presta".
"Santa Casa não pode mudar de prioridades apenas porque muda o provedor"
Lusa
Lusa 06 de dezembro de 2017 às 13:23

Edmundo Martinho tomou hoje posse como provedor da Santa Casa de Misericórdia de Lisboa para um mandato de três anos, no qual espera ter cada vez melhores e mais serviços na saúde, acção social e cultura.

 

"A Santa Casa não pode mudar de prioridades apenas porque muda o provedor", disse Edmundo Martinho aos jornalistas no final da cerimónia de tomada de posse que decorreu na Sala de Extracções da instituição, em Lisboa.

 

Para o novo provedor, "é indispensável que a Santa Casa aprofunde a sua presença nas suas grandes áreas nucleares que são a saúde, a acção social e a cultura" e cumprir este objectivo significa "desenvolver o património que tem de credibilidade nos serviços que presta".

 

"É isso que tem de ser cada vez mais capaz de fazer - melhores e mais serviços" à população que assiste, salientou.

 

A Sala de Extracções dos jogos geridos pela Santa Casa esteve completamente cheia e entre os participantes na cerimónia estava o ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, Vieira da Silva, a secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, e o antigo provedor da instituição Rui Cunha.

 

O anterior provedor da Santa Casa, Pedro Santana Lopes, não pode estar presente na cerimónia devido a problemas de saúde, conforme disse Edmundo Martinho, mas enviou uma mensagem de felicitações ao novo provedor.

 

O ministro Vieira da Silva afirmou que Edmundo Martinho "tem todas as condições para deixar marca nesta instituição" devido ao trabalho já realizado na área da acção social.

 

"Traz a sua serenidade, que é uma qualidade indispensável para a gestão de uma instituição desta dimensão", defendeu o ministro, embora realçando que "não se deve confundir serenidade com inacção".

 

Vieira da Silva também quis deixar uma palavra para o provedor que cessou funções, destacando a relação muito próxima de trabalho que com ele manteve nos últimos dois anos.

 

O governante destacou o papel da Santa Casa com 520 anos em Portugal, afirmando que "é quase uma ave rara nas instituições portuguesas".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub