Política Santana acusa Moedas e Pedro Duarte de usarem ideias suas na moção

Santana acusa Moedas e Pedro Duarte de usarem ideias suas na moção

O candidato derrotado nas directas do PSD compara os textos das duas moções no capítulo da inovação e tecnologia. Santana diz que perdeu mas que as suas ideias "não foram derrotadas".
Santana acusa Moedas e Pedro Duarte de usarem ideias suas na moção
Miguel A. Lopes/Lusa
Marta Moitinho Oliveira 01 de fevereiro de 2018 às 11:27

Pedro Santana Lopes diz que perdeu as eleições directas no PSD mas que que as suas ideias "não foram derrotadas" e acusa Carlos Moedas e Pedro Duarte de usarem ideias suas na moção sectorial que vão levar ao Congresso do partido.

Num artigo de opinião publicado esta quinta-feira no Jornal de Negócios, o candidato que perdeu para Rui Rio compara os textos da moção com que concorreu às eleições, chamada "Um Portugal em ideias", com o texto da moção sectorial "Combater as desigualdades", que o comissário europeu e o ex-líder da Juventude Social Democrata (JSD) levam a debate na reunião magna dos sociais-democratas.
 

"Precisamos de um programa aprofundado sobre os desenvolvimentos nos domínios da automação, robótica e inteligência artificial que apure os novos desafios tecnológicos e a sua compatibilização com os recursos laborais, organização do trabalho e emprego face ao crescimento da automatização de milhões de postos de trabalho na Europa e no mundo", escreve Santana Lopes referindo-se a uma passagem da sua moção.

Depois, Santana Lopes cita o texto de um artigo do Observador sobre a moção de Carlos Moedas e Pedro Duarte. "O mundo está a mudar a uma velocidade brutal (diz Pedro Duarte). E andam a discutir-se as mesmas coisas há cinco ou dez anos. Por isso, assumo que estas ideias possam parecer revolucionárias e provocatórias. E acrescenta Pedro Duarte: Acompanhamos ambos estas tendências. Conversamos sobre assuntos como a inteligência artificial, e fomo-nos apercebendo de que na política ninguém fala disto, onde parecemos uns aliens."

O antigo primeiro-ministro cita ainda mais partes dos dois textos, uma comparação com a qual tenta evidenciar as semelhanças entre as duas moções. E conclui: "Os autores de uma moção a um próximo congresso dizem que ninguém fala de um assunto que, por sinal, foi muito falado pelo autor destas linhas no âmbito de uma candidatura recente".

"Eu sei que a candidatura que apresentou essa moção não ganhou. Mas as ideias não foram derrotadas", conclui Santana, acrescentando que "na vida contam as ideias, a compostura e os procedimentos. E quanto melhores as ideias mais impressão fazem, não quero dizer ligeireza, mas pelo menos distracção e, não quero dizer desfaçatez, mas pelo menos a falta de atenção".    

O congresso do PSD está marcado para os dias 16 a 18 de Fevereiro, em Lisboa.       




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Bernardo Há 3 semanas

Combater as desigualdades? O PSD? Sejam sérios pelo menos uma vez na vida, po rr a!