Política Santana Lopes: "Ligação ao trabalho" justifica recusa a candidatura a Lisboa

Santana Lopes: "Ligação ao trabalho" justifica recusa a candidatura a Lisboa

Foi a "ligação ao trabalho" que pesou no momento de decidir avançar de novo com uma candidatura à Câmara de Lisboa, escreve o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa num artigo de opinião publicado no Correio da Manhã.
Santana Lopes: "Ligação ao trabalho" justifica recusa a candidatura a Lisboa
Bruno Simão/Negócios
Negócios 02 de Dezembro de 2016 às 10:25

Ficar na Santa Casa da Misericórdia "é a decisão que me faz ficar bem com a minha consciência". Num texto de opinião publicado esta sexta-feira, 2 de Dezembro, no Correio da Manhã, Pedro Santana Lopes justifica, assim, a recusa a candidatar-se novamente à Câmara de Lisboa, uma opção que terá comunicado há dois dias a Passos Coelho.

 

"Seria para mim praticamente impossível dizer na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa que a trocava pela Câmara Municipal da mesma cidade", escreve Santana Lopes. "As responsabilidades que tenho na minha vida pessoal, familiar e profissional privada também na facilitavam uma resposta afirmativa", acrescenta, salientando, porém, que "foi a ligação ao trabalho que está a ser desenvolvido na Misericórdia que mais pesou na conclusão a que cheguei".

 

O ex-primeiro-ministro admite que não lhe é "indiferente ser de novo convidado, quinze anos depois da primeira vez, para concorrer" à autarquia alfacinha. No entanto, diz não estarem agora reunidas as mesmas condições que em 2001 o levaram a desistir de um segundo mandato na Figueira da Foz para se candidatar e ganhar a câmara de Lisboa. Nessa altura, recorda, Durão Barroso apresentou-lhe o desafio "com razões nacionais", recorda. "Dizia ele que só eu conseguiria ganhar a Câmara Municipal de Lisboa e que, se isso acontecesse, certamente o Governo de António Guterres cairia e iriamos para eleições".

 

"Aconteceu-me algo de parecido agora", prossegue, para concluir que "desta vez, fiz uma opção diferente e optei por continuar onde estou".




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

Fez um favor a si próprio e aos Lisboetas.
Obrigado!

joaoaviador Há 3 dias

Haja alguém que me faça rir!

Anónimo Há 3 dias

A desistência de Santana para a Câmara de Lisboa foi uma derrota do PS... Santana era o candidato do PS/Mentes/Marcelo para Lisboa porque era a que melhor garantia a vitória do Medina, enfraquecendo Passos e, quem sabe, o futuro candidato a Presidente da República, contra Marcelo!
PS.: Conta-se por aí que, quando Centeno se demitir, vão convidar Maria Luís para as finanças!

Anónimo Há 3 dias


PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub